Desenvolvimento01/09/2014 às 11h39

Start-up brasileira cria solução de testes de usabilidade de baixo custo para apps móveis

Fernando Paiva

Antes de lançar um aplicativo ou site móvel, é importante testar como usuários reais reagem à sua interface. Há consultorias especializadas em testes de usabilidade que cobram valores altos por esse serviço, restringindo o acesso a empresas de grande porte. Para as start-ups, o caminho muitas vezes acaba sendo testar com amigos próximos, o que nem sempre garante a isonomia e a qualidade do teste. Para resolver esse problema, uma start-up brasileira chamada Testaisso criou uma solução acessível para empresas de pequeno porte.

A TestaIsso oferece testes de usabilidade e de cliente oculto para sites web, sites móveis e apps móveis. Hoje, apenas 20% da demanda é para testes móveis, mas a expectativa é de que a proporção se inverta rapidamente. Somente em agosto, a empresa realizou 30 testes em apps e sites móveis.

A companhia conta com uma base de 6 mil testadores cadastrados, dos quais cerca de 350 estão aptos a realizar testes em smartphones das plataformas Android, iOS e Windows Phone. Esses testadores estão segmentados por faixa etária, classe social, profissão, interesses pessoais etc, o que permite definir o perfil de consumidor que fará o teste. Cada testador recebe R$ 20 por teste realizado. Os testes com apps e sites móveis são gravados com uma câmera digital de alta resolução pelo testador. A ideia é ver como ele maneja o celular enquanto navega pelo ambiente em teste. Os vídeos são enviados pela web para serem assistidos pelas empresas contratantes.

A TestaIsso não exige que seus testadores tenham smartphones de última linha ou conexões de alta velocidade, como planos 4G. "Um app tem que funcionar tanto em conexão lenta quanto rápida. E nosso testador usa seu telefone de verdade, que pode estar cheio de apps abertos ao mesmo tempo, em conexão de baixa qualidade. É um teste em ambiente real,  não num laboratório com tudo controlado", explica Thiago Ghilardi, um dos fundadores do TestaIsso. Ele sugere que toda start-up móvel teste seu app antes de lançá-lo comercialmente, pois qualquer defeito pode gerar comentários negativos e baixar a nota do título nas lojas de aplicativos.

Self-service

A plataforma é self-service. O cliente define o roteiro de testes pelo site da Testaisso. Um exemplo seria: baixe o aplicativo e navegue dentro dele por dois minutos enquanto relata as suas impressões. "Recomendamos que o tempo médio do teste seja o mesmo de uma sessão do app. Depois de 15 ou 20 minutos, o participante está cansado e aí o teste deixa de ser natural. Se for preciso avaliar todos os elementos de um app, melhor quebrar em mais de um teste", aconselha Ghilardi.

O cliente pode escolher quantas pessoas e de qual perfil deseja que participem do teste. Os preços variam de R$ 79,90 (um testador) até R$ 679,90 (dez testadores). Ghilardi recomenda que o teste seja feito com pelo menos cinco pessoas, para gerar uma leitura mais consistente dos resultados. "Se ninguém clicar em um recurso que o cliente imaginava que seria super-útil, é porque deve ser descartado ou então porque não está bem visível", exemplifica. Kekanto, F.biz, Runrun.it, Catho, Centauro e Aceleratech estão entre os primeiros clientes da plataforma.