M-payment02/04/2012 às 11h18

Empresa brasileira transforma iPhone em máquina de cartão de crédito

Fernando Paiva

Em breve, qualquer iPhone ou iPod Touch no Brasil será capaz de receber pagamentos de cartões de crédito e débito, transformando-se, portanto, em uma máquina similar àquelas da Cielo e da Redecard. A novidade foi desenvolvida pela companhia paulista 2Pay e consiste em um pequeno acessório leitor de cartões que deve ser acoplado na entrada de dados do telefone. O público alvo são pequenos comerciantes e profissionais liberais que hoje não são atendidos pelas redes de adquirência de grande porte. O lançamento comercial deve acontecer dentro de 90 dias, prazo que pode ser encurtado caso a 2Pay receba o aporte de investidores estrangeiros com os quais vem negociando.

A solução se assemelha àquela da Square e ao recém-lançado PayPal Here, da PayPal, ambos restritos ao mercado norte-americano por enquanto. Embora o objetivo de todos seja o mesmo (transformar o iPhone em uma máquina de POS), a 2Pay tem uma diferença essencial: é a única que lê cartões de crédito e débito com chip, tipo que representa mais de 95% dos cartões emitidos no Brasil. Os acessórios do Square e do PayPal Here se encaixam na entrada de áudio dos telefones e são capazes de ler apenas cartões de tarja magnética. Para receber pagamentos de cartões chipados é preciso criptografar os dados, o que não é possível pela entrada de áudio. "Queremos sair na frente desses gigantes no Brasil, com um modelo de negócios apropriado para o País", explica Eliézer Pimentel, um dos sócio-fundadores da 2Pay.

A proposta é distribuir gratuitamente o acessório para pequenos comerciantes e profissionais. Mais de 450 deles preencheram um pré-cadastro no site da 2Pay interessados na novidade, antes mesmo de seu lançamento. O custo será menor do que aquele de uma máquina de POS comum. Em vez de uma mensalidade pelo uso da máquina, será cobrada uma taxa de poucos centavos por cada transação efetivada, além de um percentual de cada compra (esse percentual ainda não foi definido, mas deve ficar entre 3,5% e 6%). O valor da transação é transferido automaticamente para a conta bancária do comerciante, já com as taxas descontadas. A 2Pay está em negociação com as grandes redes de adquirência, pois precisará de uma delas para intermediar as transações.

Do ponto de vista do consumidor, bastará encaixar o cartão no iPhone do lojista, verificar o valor da compra na tela e assinar seu nome com o dedo no próprio display. Não será necessário digitar a senha do cartão. O comprovante será enviado por SMS ou email. A interface será um app desenvolvido especialmente para o serviço, instalado no celular do lojista.

O dispositivo da 2Pay está em processo de certificação EMV, um padrão internacional da indústria de cartões de crédito. Ele já recebeu a certificação nível 1 e agora está concluindo o nível 2. O aparelho será fabricado na China e importado para o Brasil. Ainda não há previsão de lançamento de uma versão para Android.

Investidores

Segundo Pimentel, os sócios da 2Pay já foram procurados por oito diferentes grupos de investidores, entre nacionais e estrangeiros, interessados em aportar capital na iniciativa. Independentemente da entrada de um novo sócio, o executivo garante que produto será lançado.

Tela Viva Móvel

A 11ª edição do Tela Viva Móvel contará com um painel intitulado "M-wallet: o celular como instrumento para compras e transferências financeiras", marcado para acontecer no dia 17 de maio, entre 16h e 17h30, no Centro de Convenções Frei Caneca, em São Paulo. Estão confirmadas para este painel as participações de Gabriel Ferreira, diretor de serviços financeiros da Oi; Helisson Lemos, vice-presidente e country manager para o Brasil do MercadoLivre; Omarson Costa, diretor de desenvolvimento de negócios para América Latina da Mobile Payment Solutions; e Ronaldo Bueno, diretor de marketing da Netshoes.

Para maiores informações, acesse o site do evento.