Conteúdo móvel04/05/2015 às 11h32

Sobe de 67% para 85% a proporção de internautas brasileiros que nunca compraram um app

Fernando Paiva

84,7% dos internautas brasileiros que possuem smartphone nunca compraram um aplicativo sequer. Ou seja, utilizam apenas títulos gratuitos, que vieram embarcados em seus smartphones ou que foram baixados de graça nas lojas de aplicativos. Trata-se de um aumento significativo em um intervalo de um ano: em abril de 2014, a proporção era de 67%. A explicação está no aumento da penetração de smartphones junto a camadas da população brasileira de menor renda. Os resultados fazem parte da segunda e da primeira pesquisas Mobile Time/Opinion Box sobre utilização de aplicativos móveis no Brasil. A primeira foi realizada em abril de 2014 e a segunda, em abril de 2015. Nesta última foram entrevistados 1.280 brasileiros que acessam a Internet, respeitando as proporções de gênero, idade, faixa de renda e distribuição geográfica desse grupo – vale lembrar que metade da população brasileira acessa a Internet.

O problema, aparentemente, não está na falta de cartão de crédito, mas na pouca atratividade dos apps pagos, além do sucesso do modelo "freemium". Entre o grupo que nunca pagou por um aplicativo, 45,8% disseram "não ver necessidade" para tal gasto. E 24,4% disseram que nunca encontraram um título que lhes interessasse. 22,1% reclamaram do fato de não poderem testar antes. 17,4% disseram achar os apps caros. E apenas 10,3% afirmaram que não conseguem comprar porque não têm cartão de crédito. Era permitido apontar mais de um motivo.

Quando feita uma análise por gênero, nota-se uma predisposição um pouco maior entre os homens para compra de apps. 18,6% dos homens entrevistados já pagaram por um aplicativo, contra 12,3% das mulheres. Na média, apenas 15,3% dos entrevistados compraram apps.

Cabe destacar que praticamente todos os entrevistados, ou 99,2% para ser exato, disseram já ter baixado algum aplicativo para o seu smartphone.

In-app

Por outro lado, surpreende a quantidade de pessoas que afirmaram já terem feito compras dentro de aplicativos, as chamadas compras "in-app": 39,5%. Foi a primeira vez que essa pergunta foi feita na pesquisa, o que inviabiliza a identificação de uma tendência de alta ou de baixa. Novamente há um leve predomínio masculino: 41,3% dos homens já fizeram compras in-app, contra 37,8% das mulheres.

Esse resultado referenda o sucesso do modelo de negócios conhecido como "freemium" e adotado por muitos desenvolvedores ao redor do mundo. Ele consiste na oferta gratuita de uma versão básica do app e a inclusão de itens ou serviços extras à venda dentro do aplicativo.

A distribuição dos sistemas operacionais dos smartphones dos 1.280 entrevistados foi a seguinte: Android (81,4%); Windows Phone (8,7%); iOS (7,7%); outros (2,2%).

Tela Viva Móvel

Mais resultados da segunda pesquisa Mobile Time/Opinion Box sobre o uso de apps móveis pelos internautas brasileiros serão divulgados ao longo desta semana e também em apresentação nesta terça-feira, 5, durante o evento Tela Viva Móvel, no WTC, em São Paulo.