Artes cênicas06/06/2017 às 12h48

Cennarium: app leva o teatro brasileiro para o celular e almeja 20 mil assinantes em dois anos

Fernando Paiva

Incentivar a difusão das artes cênicas: foi com este propósito que nasceu o Cennarium, um serviço brasileiro multiplataforma que disponibiliza via streaming vídeos de espetáculos teatrais, óperas, balés, performances, concertos etc. Criado há sete anos na web, o Cennarium ganhou uma versão em aplicativo móvel (Android, iOS) no ano passado. E em março deste ano passou a ser oferecido em inglês para o público norte-americano. O Cennarium conta hoje com 1 mil assinantes, mas almeja atingir 20 mil dentro de dois anos.

O serviço funciona como se fosse um "Netflix do teatro”. Por uma mensalidade de R$ 19,90, o assinante tem acesso a um catálogo composto de 400 espetáculos, a grande maioria peças nacionais de teatro. Em breve esse catálogo deve dobrar, com a adição de 400 espetáculos estrangeiros, fornecidos por parceiros internacionais, revela Erika Hoffgen, head de projetos e operações do Cennarium.

Atualmente, 50% dos acessos ao serviço acontecem através de dispositivos móveis. O conteúdo preferido do público brasileiro no Cennarium são as comédias, que respondem por 45% das visualizações. E o conteúdo nacional, de qualquer gênero, representa 78% do tráfego, relata José Eugênio Hudson, cofundador da Coralbox, parceira do Cennarium no desenvolvimento do app.

Gravação

A maioria dos vídeos disponíveis foram gravados e editados pela própria Cennarium. Ela leva uma equipe para o espetáculo, com sete câmeras, e grava em alta definição. Todos os artistas que compõem o espetáculo precisam concordar com a filmagem e a distribuição posterior do vídeo editado. Se um se recusar, nada pode ser feito. “Enfrentamos resistência, sim. Tivemos negativas de vários artistas, assim como tivemos apoio de outros tantos, graças aos quais a gente existe hoje. Temos no acervo espetáculos com artistas globais, com atores bem relevantes e também espetáculos de pequeno e médio porte. Há mais aceitação do que recusa, pelo que observamos”, relata a executiva. Além da assinatura de streaming, o Cennarium gera receita com o licenciamento do conteúdo para canais de TV paga, e até com a exibição eventual em cinemas. Metade da receita é dividida com os produtores dos espetáculos.

“O licenciamento gera retorno mais rápido de receita. Mas acreditamos que o app, ao longo do tempo, nos ajudará a ter uma receita recorrente que tende a aumentar. Além disso, ajuda na formação de público. Não vamos deixar de distribuir para outros canais, porque faz parte do nosso objetivo difundir as artes cênicas ao máximo”, explica Hoffgen.

Para divulgar o serviço, a empresa faz uma transmissão ao vivo de uma peça uma vez por mês. Além disso, negocia parcerias institucionais com escolas de teatro para oferecer acesso com desconto para os estudantes enquanto estiverem matriculados, relata Hudson, da Coralbox.

"Queremos que o app não seja apenas uma plataforma de streaming, mas um espaço de fala, de inspiração, de engajamento dos artistas e profissionais que trabalham nas artes cênicas, para que desfrutem ao máximo das informações que a gente disponibiliza”, acrescenta Hoffgen.

O Cennarium foi vencedor do Prêmio Tela Viva Móvel deste ano na categoria Entretenimento, na escola do júri.