Empreendedorismo07/02/2018 às 17h41

Programa da Samsung investe R$ 3,5 milhões em 13 start-ups

Henrique Medeiros

A Samsung apresentou as start-ups que serão aceleradas na terceira da edição do Creative Startups, um programa de economia criativa feito em parceria com Anprotec, Embrapa e a sul-coreana CCEI. No total, o Creative Startups terá R$ 3,5 milhões em patrocínio para as novas firmas.

O programa dura nove meses e possibilita uma viagem das melhores empresas à sede da CCEI e da Samsung na Coreia do Sul. Ao todo, 13 empresas de realidade virtual, realidade aumentada, saúde, agritech, e-commerce, comunicação, esportes, Internet das Coisas (IoT) e inteligência artificial foram escolhidas para o programa.

“As start-ups são contratadas como parceiros da Samsung. Durante o programa, elas passam por mentoria da Samsung e dos nossos parceiros, como a Embrapa”, explicou Paulo Quirino, coordenador de pesquisa e desenvolvimento da Samsung.

As novas entrantes passam por um período de treinamento (bootcamp) dentro na sede da Samsung Brasil, em São Paulo, durante três semanas. Posteriormente, as start-ups são direcionadas para dez incubadoras para desvendarem seu potencial e descobrirem o modelo de negócios ideal.

O Creative Startups deu R$ 2 milhões em patrocínio para 12 start-ups no ano passado. Em 2016, o total obtido com patrocínios para as novas entrantes foi de R$ 1,1 milhão para 8 start-ups.

Know-how

Um dos participantes da segunda edição do programa de economia criativa foi Esthevam Gasparoto, CEO e sócio-fundador da Treevia. Com um projeto que alia sensor conectado em árvores, inteligência artificial e big data, a Treevia atua com coleta de dados de árvores em florestas para dar dimensão do desmatamento em áreas de corte. Como resultado, a empresa obteve R$ 2 milhões de investimentos desde que foi acelerada pelo Creative Makers, foi para Coreia do Sul e atualmente possui contratos com Suzano e Grupo Mutum.

“Esse movimento começou estruturado no primeiro ano. As soluções em 2016 tinham foco interno na Samsung (Galaxy Apps, P&D e Supply Chain). No segundo ano começamos a ter start-ups que podiam gerar novos negócios para a Samsung, como a Treevia”, disse José Alberto Aranha, presidente da Anprotec, empresa que organiza o programa de economia criativa junto com a Samsung.

Investimento é a lei

A soma (R$ 3,5 milhões) é oriunda de aceleradoras e pela própria Samsung via Lei de Informática. Apenas a fabricante dos smartphones Galaxy pretende investir US$ 5 milhões no programa em cinco anos, contando de 2015 a 2020, uma vez que o objetivo do programa é identificar oportunidades para áreas de interesse da Samsung.

A diretora de relações governamentais da Samsung, Simone Scholze, ressaltou que o projeto foi criado após liberação do uso da Lei de Informática para investir em start-ups pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações. Thiago Lopes, secretário de política de informática do MCTIC, frisou que a Medida Provisória 810 deixa isso mais claro, uma vez que modifica a Lei de Informática que engloba investimento em start-ups e venture capital.

Também presente no evento, o ministro do MCTIC, Gilberto Kassab defendeu que a MP 810 abre mais espaços para captar mais recursos e parcerias, cujo objetivo é ter um país moderno e inovador.

Start-ups

As 13 start-ups selecionadas pelo Creative Startups são: Loox VR e seu app de realidade aumentada e mista; Dreamkid Studio e aplicativo/jogo de realidade aumentada para crianças; Engenho e seu app de coleta de dados em saúde geriátrica; Broto, uma agritech para medir dados com smartphones e sensores locais em piscicultura e hidropônia; Anyee Tecnologia e sua plataforma e assistente de compras; PetitFabrik, uma rede social corporativa em aplicativo; Imersão Visual, uma empresa de ensino à distância com realidade virtual; Joga+, app de scout para futebol com inteligência artificial; Pesa Fácil, um app de reconhecimento de peso de gado por imagem; Guimo Toys e seus brinquedos inteligentes; IoT Makers, kit de desenvolvedores para Internet das Coisas; neuroUP, uma plataforma e dispositivo portátil para tratar dor de cabeça; e Teia Labs, uma plataforma para reconhecimento facial em locais abertos e fechados.

Encubadoras

Por sua vez, as incubadoras que receberão as novas entrantes são: Miditec (Florianópolis), Celta (Florianópolis), Agência de Inovação da UEA (Manaus), Santos Dumont (Foz do Iguaçu), Tecnopuc - Raiar (Porto Alegre), Cide (Manaus), Instituto Gênesis – PUC Rio (Rio de Janeiro), Supera (Ribeirão Preto) e Acelera MGTI (Belo Horizonte).

Notícias relacionadas