Handsets07/07/2017 às 10h07

Fundador da Oakley anuncia o primeiro smartphone com tela holográfica

Da Redação

A indústria móvel passou por algumas revoluções ao longo de sua história, como a digitalização dos telefones, as telas coloridas, a adição de câmeras aos aparelhos, a tela sensível ao toque e o surgimento das lojas de aplicativos. Esta semana, foi anunciada uma novidade que pode vir a ser a próxima revolução desse setor: o primeiro smartphone com tela holográfica. Ao contrário do que se poderia imaginar, a inovação não partiu da Apple ou da Samsung, mas de um empreendedor de fora dessa indústria: James Jannard, o fundador da marca de óculos Oakley e da fabricante de câmeras 4K Red Digital Cinema.

O smartphone se chama Hydrogen One e usa sistema operacional Android. Sua tela traz uma tecnologia inédita, provavelmente patenteada por Jannard, que permite ver conteúdo em 2D, 3D e holografia sem a necessidade de óculos especiais ou qualquer outro acessório. Segundo seu inventor, ela é diferente das telas com tecnologia lenticular lançadas no passado em aparelhos como o LG Optimus.

Além disso, a câmera do Hydrogen One permitirá gerar conteúdo holográfico em um padrão batizado como H4V (Hydrogen 4 View). Conteúdo filmado em 3D também poderá ser convertido para H4V. E será criado um marketplace para a distribuição de conteúdo holográfico, chamado Red Channel.

Outra novidade é a presença de um algoritmo que transforma áudio estéreo em sons multidimensionais.

O anúncio, feito na pagina oficial da Red, não apresentou as especificações completas do aparelho e nem maiores detalhes sobre a tecnologia de tela. Entretanto, as pré-vendas do primeiro lote já foram abertas. Duas versões podem ser encomendadas: uma de alumínio, por US$ 1.195, e uma de titânio, por US$ 1.595. Os produtos serão enviados no primeiro trimestre de 2018 para os compradores.

Indústria cinematográfica

Jannard pode ser um desconhecido na indústria móvel, mas é uma celebridade no setor cinematográfico. Quando suas primeiras câmeras 4K profissionais foram lançadas havia poucos concorrentes no mercado, cujos preços eram três vezes mais caros. Sua chegada chacoalhou a indústria do cinema.

O sucesso das câmeras RED é a única explicação para haver pessoas encomendando o smartphone holográfico sem nem sequer conhecerem suas especificações. Aos céticos, Jannard escreveu em um fórum da sua empresa na Internet: “Por que acreditamos que podemos fazer a diferença no mercado de celulares? Porque estamos fazendo tudo de forma diferente e melhor (ou assim sentimos). Essa é a única forma de entrar em um mercado. Era esse o pensamento que havia por trás da Oakley. Era esse o pensamento quando lançamos a RED One. A mesma fórmula. Faça algo significativamente melhor e você passa a ter uma razão de existir”.

A respeito da tecnologia de tela, comentou, na mesma publicação: “Nossa tela usa tecnologia que você nunca viu antes. Não é lenticular, que é uma tecnologia inferior em todos os aspectos e que não obteve sucesso em todas as suas tentativas de emplacar (veja os casos do Amazon 3D Fire, do LG Optimus etc). Telas lenticulares reduzem a resolução dramaticamente, não podem ser desligadas para a visualização de conteúdo em 2D, funcionam apenas em uma posição (geralmente na horizontal), somente para citar alguns dos problemas. Minha aposta é de que “grandes" companhias vão tentar reciclar telas lenticulares 3D com rastreamento dos olhos como uma resposta à nossa invenção Não caiam nessa”.

Resta aguardar mais informações sobre a tecnologia ao longo dos próximos meses e a chegada das primeiras unidades, no começo de 2018, para confirmar se estamos ou não diante de uma revolução na indústria móvel.