SMS07/11/2017 às 16h54

Oi reduz a zero spam de SMS originado em sua rede

Fernando Paiva

A Oi conseguiu reduzir a zero o envio de spam por chipeiras na sua rede depois que adotou uma solução antispam, em maio deste ano. A empresa acordou para o problema em meados do ano passado, quando notou um súbito aumento na quantidade de mensagens enviadas a partir de números da Oi para outras operadoras. Ao analisar o caso, percebeu que uma proporção significativa era spam. Na média, em 2016, 25% do tráfego de SMS offnet da Oi era spam. O auge foi em julho, quando o spam respondeu por 40%. O spam originado em sua rede representa uma perda financeira, pois a Oi paga uma tarifa de interconexão para cada mensagem que tem como destino um número de outra operadora.

"Há 11 diferentes tipos de fraude em SMS, identificados pelo MEF. Dentre eles, as chipeiras representam o principal problema na rede da Oi, pois causa um prejuízo financeiro para a operadora", relata Eduardo Azara, gerente de planejamento da Oi, que participou nesta terça-feira, 7, do Mavenir Latam Show, no Rio de Janeiro.

As chipeiras são máquinas para disparo automático e massivo de mensagens de texto usando SIMcards de diversas operadoras. Os fraudadores se aproveitam de promoções com preço baixo de SMS (às vezes até uso ilimitado) para disparar as mensagens de spam. Isso fere os termos de serviço das teles, pois os referidos planos são restritos para uso pessoal, não comercial. Essa fraude congestiona a rede, gerando impacto também nos indicadores de qualidade medidos pela Anatel. Além disso, prejudica o mercado de SMS homologado, cujo preço por mensagem é mais alto, mas tem qualidade garantida em contrato.

Depois que o alerta foi ligado em julho do ano passado, a Oi começou a tomar medidas de combate praticamente manual contra o spam, com a ajuda de seus próprios técnicos. Com isso, conseguiu reduzir imediatamente a proporção de spam sobre o seu tráfego offnet, que caiu para 20% em setembro; 15%, em dezembro; e 10% em março. Depois, em abril, a operadora adotou uma solução antispam fornecida pela Mavenir, que reduziu a proporção a zero. Desde então, o saldo da Oi na interconexão SMS passou a ser positivo com as outras operadoras. Ou seja, ela passou a receber mais mensagens do que a enviar para as demais teles – o que é impressionante se considerado que a Oi é a operadora com a menor base total de linhas em serviço dentre as quatro grandes que atuam no País. Esse ganho financeiro imediato fez com que o investimento no projeto se pagasse em menos de seis meses. Para se ter uma ideia, somente em junho deste ano foram bloqueadas milhões de mensagens de spam enviadas a partir de chipeiras com SIMcards da Oi. Uma campanha sozinha teve quase 600 mil mensagens bloqueadas em duas semanas emjunho.

Próximas fases

A próxima fase do projeto consistirá no bloqueio de spams enviados de números de outras operadoras para clientes da Oi. Neste caso, a empresa perderia a receita com interconexão, mas aumentaria a satisfação dos seus clientes. Uma possibilidade para não perder completamente a receita é acertar um acordo comercial com as outras teles oferecendo uma cobrança mais barata que a interconexão pelas mensagens bloqueadas por serem spam. Assim os dois lados ganhariam. A terceira fase do projeto consistirá na verificação das mensagens enviadas pelos integradores (brokers) homologados, para se certificar que o canal tampouco é usado por spammers.