Serviços móveis07/11/2017 às 15h22

Um celular com múltiplas linhas: solução adotada pela T-Mobile será trazida para o Brasil

Fernando Paiva

Até bem pouco tempo, para se gerenciar mais de uma linha móvel dentro de um mesmo telefone celular era preciso que este tivesse entrada para dois ou mais SIMcards. A Mavenir desenvolveu uma solução que dispensa SIMcards extras e permite que um smartphone gerencie simultaneamente inúmeras linhas móveis. Batizada como Multi-ID, a solução foi adotada este ano pela norte-americana T-Mobile, com o nome comercial de Digits, e gerou a adição de centenas de milhares de novas linhas virtuais em poucos meses após seu lançamento. Agora, a Mavenir quer levar a ideia para outros mercados, incluindo o Brasil, onde a solução foi apresentada nesta terça-feira, 7, no Mavenir Latam Show, no Rio de Janeiro.

Através de um software que pode vir embarcado no smartphone ou baixado pelo usuário, é possível adicionar linhas e gerenciá-las. A ideia é que o consumidor possa usar cada linha para um propósito diferente. O exemplo mais óbvio é ter um número para uso pessoal e outro para trabalho. Mas pode-se criar também números temporários para finalidades diversas, como anunciar a venda de um apartamento, ou ou usar aplicativos de relacionamento etc. Cada linha tem um número móvel real que pode ser ligado ou desligado a qualquer momento pelo usuário pelo app. É possível até mesmo instalar o software em um smartphone com SIMcard de uma operadora e controlar linhas de outra.

Além disso, com o Multi-ID, uma mesma linha pode ser controlada em inúmeros aparelhos, inclusive computadores. Isso pode ser usado por empresas para que um número seja compartilhado por vários funcionários da mesma equipe, por exemplo.

"A ideia é trazer o conceito de serviços da web, como o email, para dentro do telefone. Da mesma forma que você pode ter vários emails dentro de um mesmo computador, agora você pode ter várias linhas em um mesmo telefone", compara BG Kumar, presidente de produtos core da Mavenir.

T-Mobile

No caso da T-Mobile, a operadora norte-americana cobra US$ 10 por mês para cada linha extra criada com o Digits. Foi estipulado um limite máximo de cinco linhas por usuário e oito aparelhos por linha, embora tecnicamente não haja qualquer restrição nesse aspecto, garante a Mavenir.

No Brasil, talvez seja necessário adaptar o produto. É preciso levar em conta as tarifas pagas pelas operadoras para instalação e manutenção de cada linha móvel (TFI e TFF), assim como a finitude da numeração móvel.

Inovação

A solução Multi-ID faz parte de um extenso portfólio da Mavenir que procura devolver às operadoras um papel relevante na oferta de serviços de telecom, de forma que não se tornem apenas canos para o tráfego de dados e voz. A empresa também oferece, por exemplo, plataformas de VoLTE, RCS e comunicações unificadas móveis (mUCC).

"Tanto teles quanto fornecedores precisam acelerar em inovação. Quem não liderar esse processo vai virar commodity", prevê Kumar. Para comprovar a necessidade de as operadoras agirem, o executivo cita dados de um estudo da GSMA nos EUA: em cinco anos caiu de 40% para 9% a participação de apps de serviços das operadoras (discador telefônico e SMS) sobre o tempo total que os usuários passam com seus telefones. O tempo restante é gasto com serviços de apps não controlados pelas teles, como WhatsApp, Facebook e afins. No mesmo intervalo de cinco anos, o tempo médio que cada americano gasta com seu celular por dia triplicou, passando de 60 para 180 minutos.