Comércio móvel07/12/2017 às 16h00

De olho no omnichannel, Mercado Livre adquire E-Commet por R$ 35,6 milhões

Henrique Medeiros

O Mercado Livre (Android, iOS) confirmou a compra da E-Commet por R$ 35,6 milhões nesta quinta-feira, 7. A empresa adquirida fornece uma plataforma de construção de sites de e-commerce que tem entre seus clientes empresas como B2W, Via Varejo e Amazon. As ferramentas da E-commet devem ajudar o Mercado Livre a aprimorar sua estratégia de omnichannel.

“Um cliente que faz uso das ferramentas do becommerce (nome comercial da solução da E-commet) tem um ganho muito grande. Ele pode fazer a gestão da loja física e da loja online”, explicou Stelleo Tolda, COO do Mercado Livre. “O O2O é um mercado com grande potencial de crescimento, se levarmos em conta que 96% das vendas do varejo acontecem em lojas de rua. Nós temos conversas com grupos (grandes) toda semana que não estão no online ou tem parcela muito baixa neste canal”.

Em conversa com a imprensa na manhã desta quinta-feira, 7, Tolda revelou que a transação foi total (100%) e o pagamento, em dinheiro. Por enquanto, a E-Commet continuará independente do Mercado Livre, com os seus 77 funcionários sob o comando dos fundadores Frederico Flores e Fernando Montera.

Mobile

Outro ponto apresentado pelo diretor de operações do Mercado Livre foi o mobile. Com 47% do volume de transações (GMV) acontecendo por meio de dispositivos móveis – segundo o relatório financeiro do terceiro trimestre –, o executivo ressaltou que a compra tem caráter importante para o segmento, uma vez que a plataforma becommerce permite criar sites de comércio eletrônico para dispositivos móveis e com isso dar mais agilidade aos comerciantes. Em estudos internos do marketplace nacional antes da venda, notou-se que os processos de gestão de loja caíram de dez para um dia.

Investimentos e potencial

Questionado sobre possíveis novos investimentos no futuro, o COO não descarta novas compras: “Sobre aquisições, nós temos feito esses movimentos nos últimos anos. Compramos a KPL em 2015, a Axado em 2016  e agora a E-Commet. Nós continuamos observamos para o mercado e suas soluções, mas primeiro olhamos para a tecnologia que eles oferecem”.

Tolda, do Mercado Livre, ainda afirmou que o foco inicial do E-Commet é no Brasil. Mas acredita que, no futuro, a plataforma tem potencial para ser levada para os outros países da América Latina, porém não há nenhuma estratégia traçada neste sentido. Vale lembrar, o Mercado Livre atua em 19 países da região e tem forte presença no México, Argentina e Chile.