Mensageria08/01/2018 às 15h39

Telegram planeja lançar sua própria criptomoeda

Da Redação

O Telegram estaria planejando criar a sua própria criptomoeda, batizada até o momento como Gram, informam sites internacionais especializados no tema e também o TechCrunch. A empresa faria uma pré-oferta inicial da moeda (ICO, na sigla em inglês) ainda no primeiro semestre para levantar até US$ 500 milhões com investidores institucionais e depois abriria para o grande público, podendo arrecadar mais de US$ 3 bilhões. Seria a maior ICO privada da história. A notícia, porém, ainda não foi confirmada oficialmente pelo Telegram.

Do total que for arrecadado, pelo menos 52% ficará com o Telegram, para evitar o uso especulativo da moeda. Outros 4% serão destinados ao time de desenvolvimento do app. E o restante ficará nas mãos dos investidores. Uma plataforma batizada de Telegram Open Network (TON) fará a gestão. Haverá um blockchain próprio para o controle das transferências.

A nova criptomoeda servirá para pagamentos dentro do Telegram. A ideia é permitir que desenvolvedores lancem serviços dentro da plataforma de mensageria e cobrem em Grams. Ou seja, o Telegram quer virar o WeChat, mas com uma moeda própria. O lançamento oficial da carteira é esperado para o quarto trimestre de 2018, diz o TechCrunch.

Análise

O Telegram tem 180 milhões de usuários no mundo. É pouco quando comparado com WhatsApp, Facebook Messenger ou WeChat, mas é uma base significativa, de todo modo. No Brasil, de acordo com a mais recente edição da pesquisa Panorama Mobile Time/Opinion Box sobre mensageria móvel, o Telegram está instalado em 14% dos smartphones brasileiros.

Nenhum dos seus principais concorrentes lançaram moedas próprias: WeChat e Messenger preferiram até agora se integrar a meios de pagamento digitais que usam moedas correntes oficiais – e o WhatsApp ainda não lançou um meio de pagamento em seu app.

O Telegram, contudo, não será o primeiro serviço de mensageria a realizar uma ICO. Em setembro do ano passado o canadense Kik levantou US$ 100 milhões com sua criptomoeda Kin, em uma estratégia similar ao Telegram. A diferença é que a popularidade do Kik está concentrada entre adolescentes na América do Norte, enquanto o Telegram está mais distribuído ao redor do mundo. Há, também, alguns países onde o Telegram é particularmente forte, como o Irã, onde tem tido um papel importante para a organização das recentes maniestações contra o governo iraniano. Além disso, o Telegram é um dos serviços de mensageria preferidos da comunidade de investidores de criptomoedas, o que deve contar como uma vantagem a seu favor.

Outra empresa do mercado de conteúdo móvel que decidiu experimentar a criação de uma criptomoeda própria foi a portuguesa Aptoide, uma loja alternativa de aplicativos móveis para Android.