Segurança pública08/02/2018 às 19h37

Polícia chinesa começa a usar óculos que faz reconhecimento facial

Da Redação

A polícia da China tem uma nova arma em seu arsenal de vigilância: óculos capazes de fazer reconhecimento facial. De acordo com relatos da mídia local, os óculos estão sendo testados em estações de trem na megacidade de Zhengzhou ​​para verificar os viajantes durante o festejo do Ano Novo Lunar. Este é um período de muitos deslocamentos e descrito como o maior evento de migração humana na Terra. De acordo com a matéria do site Tech Crunch, a polícia diz que os óculos já foram usados ​​para capturar sete suspeitos procurados em casos importantes, além de 26 indivíduos que viajavam com identidades falsas.

De acordo com uma reportagem do jornal norte-americano The Wall Street Journal, os óculos de sol implantados em Zhengzhou foram desenvolvidos pela LLVision Technology Co., cuja sede é em Pequim. O executivo-chefe da empresa, Wu Fei, disse à publicação que a LLVision trabalhou com a polícia local para desenvolver a tecnologia para atender às suas necessidades.

Um desafio para o software de reconhecimento facial é que ele apresenta problemas quando é executado em câmeras CCTV porque a imagem fica embaçada e, quando o alvo é identificado, ele já pode ter saído do lugar. De acordo com Fei, o fato de esses óculos serem de sol dá à polícia a habilidade de checar em qualquer lugar e ambiente.

Os óculos de sol são controlados por uma unidade móvel conectada e são vendidos por 3.999 yuans, ou US$ 636 (embora o suporte ao reconhecimento facial custe mais). A LLVision diz que eles são capazes de reconhecer indivíduos de um banco de dados pré-carregado de 10.000 suspeitos em apenas 100 milissegundos, mas adverte que os níveis de precisão no uso da vida real podem variar devido ao "ruído ambiental".

Defensores da privacidade estão preocupados com essa nova tecnologia. Eles alegam que não há supervisão dando ao estado ​​novos poderes.

Intel

A notícia dos óculos de sol da polícia chinesa chega logo depois de o site The Verge anunciar que a Intel está desenvolvendo seus próprios óculos inteligentes. Vaunt não tem câmeras grandes, botões para apertar, nem tela LCD brilhante ou braço flutuante na frente da lente como o Google Glasses. São óculos normais, feitos com plástico comum e que pesam cerca de 50 gramas. Eles trabalham com lentes de grau ou sem, e não possuem câmera embutida. No interior das hastes, encontra-se um dispositivo equipado com laser de classe baixa, assim como um processador, acelerômetro, chip Bluetooth e bússola.

Diz a Intel que o laser é de baixa potência e que estaria bem abaixo de um laser classe 1, e emite uma imagem vermelha e monocromática no olho de quem o usa de 400 x 150 pixels.

A Intel pretende liberar acesso ao Vaunt para desenvolvedores até o fim de 2018.