Mobilidade corporativa11/08/2017 às 17h57

Indiana Zoho chega ao Brasil e foca em crescimento local via mobile

Henrique Medeiros

A Zoho, uma empresa de aplicativos de produtividade, está chegando ao Brasil este ano. A companhia indiana pretende contratar dez pessoas em 2017 e deve expandir aos poucos nos próximos anos. “Nós temos uma visão de longo prazo. Estamos vindo aos poucos para nos estabelecermos nas próximas duas décadas”, disse Raju Vegesna, evangelista da companhia.

Os objetivos da firma indiana condizem com o estado atual de seus negócios. Na América Latina, o Brasil é o segundo em receita – perde apenas para o México – e no mundo é o quarto em usuários únicos diário e em tráfego, atrás de Estados Unidos, Índia e Reino Unido. Ao todo, a Zoho possui mais de 20 clientes no Brasil como Mitsubishi, Praias Construtoras, Prodiet e YES CFTV.

Com mais de 40 aplicativos móveis em seu portfólio, os apps pagos (modelo freemium) mais usados pelos brasileiros são CRM (atendimento), Creator (criador de apps), Desk (gestão), Reports (tabulação) e Projects (gestão de projetos). Por sua vez, o E-mail é o mais usado entre os gratuitos.

A companhia tem 30 milhões de usuários espalhados por 150 países. A maioria são do meio corporativo. Atualmente, 30% dos consumidores são mobile. “Nós focamos na qualidade e na mobilidade. Tanto que mudamos nosso foco para ‘mobile-first’. Com isso, o nosso aplicativo de anotações (Notebook) ficou em primeiro lugar na categoria produtividade na App Store”, ressaltou.

Crescimento com a população

Ao explicar as razões de vir para o Brasil, Vegesna destaca o fato de a economia dos países desenvolvidos (Japão, Coreia do Sul, China e EUA, por exemplo) ter crescido quando a população economicamente ativa estava concentrada entre 25 e 40 anos de idade. A média da população ativa na economia brasileira hoje é de 29 anos.

Um fato curioso para a Zoho no Brasil é que eles buscam manter sua cultura de contratar pessoas com pouca experiência no mercado. “Nós não vamos contratar ninguém com MBA, por exemplo. Queremos pessoas que tenham gana para trabalhar e não tenham vícios do mercado de trabalho”, revelou.

Importante frisar que a experiência de pessoas “frescas” que entram e se estabelecem na Zoho por anos é o caso do próprio Raju Vegesna. Há 12 anos na companhia, este foi o seu primeiro emprego. “As pessoas, em especial os brasileiros, são talentosas por natureza”, completa.

Sistema operacional

Além da chegada no Brasil, a empresa lança um conjunto de soluções corporativas voltadas para micro e pequenos empresários gerirem seus negócios. Batizado como Zoho One, o pacote é formado por  35 aplicativos web, suíte de programas de CRM e finanças, além de 40 aplicativos mobile, a um custo de US$ 30 por mês para cada usuário/empregado. Vegesna explicou que embora o modelo é de US$ 1 por dia, o valor pode baixar, uma vez que será adaptado à realidade brasileira.