Jogos13/03/2018 às 10h26

Facebook testa vendas in-app e aquisição de usuários para jogos instantâneos do Messenger

Fernando Paiva

Pouco a pouco, o Facebook está aprimorando a sua plataforma de jogos instantâneos, lançada oficialmente para o mundo inteiro em meados do ano passado. Trata-se da oferta de games via streaming dentro do Facebook Messenger, seguindo uma tendência que veio dos mensageiros na Ásia, como WeChat e Line. Em novembro do ano passado, o Facebook passou a permitir a inclusão de publicidade dentro dos jogos instantâneos em dois formatos: interstitial (anúncio de tela inteira entre fases do jogo) e exibição de vídeo em troca de recompensas dentro dos jogos. Agora, testa mais duas novidades com sua base de desenvolvedores beta: 1) a possibilidade de adquirir usuários através de publicidade no Facebook; 2) vendas de bens virtuais dentro dos games. Ainda não há data para o lançamento oficial das duas novidades, mas espera-se que aconteça em breve.

Hoje há 242 títulos disponíveis para serem jogados dentro do Messenger. Os games são desenvolvidos em HTML5 e precisam ser pequenos, tendo no máximo 10 MB, para viabilizar a jogabilidade em streaming. A maioria são jogos casuais, para partidas rápidas. Somente um grupo pré-selecionado de desenvolvedores pode publicar jogos instantâneos no Facebook Messenger.

Alguns títulos ultrapassam a marca de 5 milhões de jogadores. Mas o potencial de crescimento é enorme, considerando que o Facebook Messenger tem mais de 1 bilhão de usuários ativos por dia no mundo. A possibilidade de fazer campanhas para aquisição de usuários anima os desenvolvedores, que hoje sofrem com a dificuldade de promoção dos títulos, dependendo do boca a boca dos próprios usuários. Paralelamente, o mecanismo de busca dentro do catálogo ainda precisa ser melhorado.

De todo modo, mesmo sem grande divulgação, a receita com publicidade já tem sido suficiente para tornar os projetos lucrativos, já que o custo de desenvolvimento e de publicação de um jogo instantâneo em HTML5 é muito menor que aquele de um jogo nativo para Android ou iOS. Mas o grande salto acontecerá com a chegada das vendas in-app, abrindo uma nova e importante fonte de receita, o que deve mudar o modelo de negócios e o estilo dos jogos criados atualmente para a plataforma.