Bots13/04/2017 às 14h50

Mobint entra no mercado de chatbots

Fernando Paiva

A Mobint, uma tradicional produtora brasileira de aplicativos e sites móveis, decidiu entrar no mercado de chatbots, oferecendo seu desenvolvimento para clientes corporativos. A empresa está investindo na capacitação dos seus profissionais de back-end para fazer a programação de bots, enquanto o pessoal de front-end e experiência do usuário cuidará do fluxo e do visual. Em maio devem ser lançados os dois primeiros chatbots criados pela equipe para dois dos seus clientes corporativos. Os chatbots estarão disponíveis no Facebook Messenger e em websites.

"Faz parte da nossa entrega o tripé tecnologia, experiência do usuário e visão de negócios. Há pouca gente com esses três pés consolidados. Isso é um diferencial nosso para entrar em bots. Há alguns garotos geniais por aí, mas que talvez não tenham a visão de negócios. Percebemos que havia uma demanda por bots e nós temos um diferencial: 10 anos de estrada”, justifica José Renato Mannis, sócio-diretor da companhia. "Antigamente fazíamos app em Java, quando nem havia lojas de aplicativos. Os primeiros sites móveis que a gente fez rodavam no iPhone 1, que não era 3G. O bot é algo que está acontecendo agora, com inteligência artificial. Sempre estivemos no começo de tudo. O pioneirismo está no nosso DNA”, complementa.

Apps X bots

Segundo Mannis, os bots podem ser aliados de apps, servindo como um canal para estimular o uso de um aplicativo, ou até a reconquista de um usuário que o tenha porventura removido. “Já tem gente fazendo conta de quanto pode economizar em SMS ao adotar um bot no Messenger para esse tipo de contato”, comenta o executivo.

Mannis rechaça a ideia de que os bots vão acabar com os apps. "O bot não mata o app e nem o app mata o bot. Eles se sobrepõem bastante, mas cada um tem suas características peculiares, da mesma forma que a TV não acabou com o rádio”, compara. Para a Mobint, os chatbots serão mais uma peça no seu portfólio de serviços.