Gestão13/06/2017 às 15h14

Uber divulga relatório que levou ao afastamento de seu CEO

Henrique Medeiros

A Uber acaba de confirmar na tarde desta terça-feira, 13, o afastamento de Travis Kalanick do comando da empresa. A mensagem postada na página oficial da empresa pela responsável do RH da start-up, Liane Horsey, informa que foi aprovado de forma unânime o relatório pelo advogado Eric Holder no escritório da firma Covington & Burling no último domingo, 10.

Adicionado na íntegra na página da Uber, o documento chamado de “Holder Report” pede o afastamento de Kalanick do posto de CEO. Embora o relatório não peça indiretamente a demissão do vice-presidente sênior da Uber, Emil Michaels, ele ressalta que todos os executivos sênior devem ser considerados responsáveis por meio de revisões de desempenho. Emils saiu da companhia na última segunda-feira, 13.

A empresa de corridas compartilhadas vem passando por um turbilhão de más notícias nos últimos meses, o que tem minado sua imagem, como denúncias de assédio sexual – que resultou na demissão de 20 pessoas –, e uma briga de Kalinick com um motorista pela taxa cobrada sobre cada corrida, cujo vídeo vazou na web. Além disso, o New York Times denunciou um programa que teria sido usado para motoristas evitarem a polícia em cidades onde o app não está regularizado. Isso sem falar na acusação do Google de que sua tecnologia de carro autônomo teria sido roubada pelo engenheiro líder do projeto na Uber, Anthony Lewandowski.

Outro agravante para Travis Kalanick, que trabalha na Uber desde 2009, é uma tragédia pessoal recente. Sua mãe morreu em um acidente de barco no mês passado. Por esse motivo e todos os outros listados até aqui, o executivo já cogitava tirar um licença da start-up.

Holder Report

O relatório de 27 páginas elaborado por Holder, ex-secretário de Justiça do EUA, pede diversas mudanças culturais e estruturais na Uber, principalmente devido à denúncia de Susan Fowler por prática de assédio sexual. A primeira e mais notória delas é o afastamento e revisão da função do atual CEO na companhia. Com a saída momentânea de Kalanick, o advogado pede para a empresa contratar um COO (Chief Operational Officer) que terá papel similar ao de CEO. Holder pede o fortalecimento da função de líder de diversidade, atualmente sob o comando Bernard Coleman, e também do conselho administrativo da companhia.

Além disso, solicita a contratação de um presidente independente para o grupo, criação de comitês de ética, cultura e diversidade, publicação de estatísticas de diversidade, melhoria nas práticas de contratação, busca de parcerias com universidades hispânicas e afro-americanas para contratação de profissionais de grupos de minorias, criação de um sistema de compensação aos executivos mais experientes, implementação de melhorias na auditoria, controle interno, realização de treinamentos com executivos sobre diversidade, respeito e inclusão, melhoria no RH, registro das reclamações, assim como acordos trabalhistas com seus funcionários que saírem.

Na postagem do documento, Lauren Horsey ressaltou que mudanças não ocorrem "da noite para o dia", mas acredita que as mudanças do Holder Report vão mostrar que a empresa está comprometida em reconstruir a confiança com funcionários, motoristas e passageiros: "A implementação dessas recomendações vão melhorar nossa cultura, promover a justiça e a responsabilidade, e estabelecer processos e sistemas para garantir que os erros do passado não sejam repetidos".

Outro destaque do relatório é a reformulação de suas 14 regras de valores culturais. Com isso, o ex-secretário recomenda que a Uber adote valores mais inclusivos e que contribuam com um ambiente colaborativo; e inclua trabalho em equipe e respeito mútuo.