Artigo13/08/2015 às 10h34

Tecnologia móvel contra a crise

Fernando Paiva

Qual é o impacto da crise econômica sobre a indústria móvel? Do lado dos fabricantes a crise já chegou: pela primeira vez é esperada uma redução na venda de smartphones no Brasil. O consumidor está adiando a troca do seu smartphone e optando por modelos mais baratos. Do lado das operadoras celulares também há reflexos negativos: a base de linhas em serviço no País caiu em junho e a receita média por usuário está diminuindo.

E quanto ao segmento de aplicativos móveis, que vem crescendo a pleno vapor no mundo inteiro? É razoável esperar que apps voltados para entretenimento desacelerem seu ritmo, em razão da contenção de gastos dos consumidores. Porém, há uma extensa gama de ferramentas móveis para as quais esse momento de crise representa uma oportunidade única de expansão. Trata-se de aplicativos de produtividade ou que mesclam mobilidade e big data para ajudar pessoas e empresas a controlarem seus custos ou mesmo a encontrarem novas fontes de receita. Muitas delas foram tema de matérias neste noticiário ao longo dos últimos meses e estão listadas abaixo, divididas entre soluções para empresas e pessoas físicas.

Para empresas:

  • Controle de gastos com táxi – A maioria dos aplicativos de táxi disponíveis no Brasil, como 99Taxis, Easy Taxi e Wappa, oferecem um módulo corporativo, que permite às empresas controlarem os gastos de seus funcionários com deslocamentos de táxi. Na prática, trata-se da digitalização dos antigos vouchers de papel, o que traz uma série de benefícios, como registro em mapa dos percursos realizados e o acompanhamento dos gastos por colaborador. A redução de custos chega a dois dígitos em muitas empresas.
  • Publicidade móvel programática – Enquanto na mídia offline os anunciantes recebem apenas estimativas da audiência alcançada, na publicidade móvel é possível saber exatamente quem, quando e onde seu anúncio foi visto. E mais do que isso: dá para programar para que a sua campanha atinja apenas o seu público-alvo, seguindo critérios bastante específicos de segmentação por sexo, comportamento, localização, tipo de aparelho etc. O investimento em publicidade móvel é portanto mais assertivo e passível de mensuração, comprovando os resultados entregues. Não à toa diversas empresas desse setor relatam que cresceram dois e até três dígitos no primeiro semestre apesar da crise.
  • Controle de quilômetros rodados – Uma das maiores dores de cabeça para qualquer grande empresa é controlar e auditar os gastos de seus colaboradores em campo, especialmente quilômetros rodados. Um app brasileiro chamado Expense Mobi procura resolver esse problema. Em vez de preencherem planilhas em Excell informando quantos quilômetros percorreram, os funcionários marcam no app o início e o final de seu trajeto a trabalho. O app registra o percurso, aproveitando o GPS do smartphone, calcula quantos quilômetros foram rodados e envia automaticamente para o gestor da empresa. Também tem um módulo de controle de despesas variadas, como refeições, cujas notas fiscais são enviadas por foto. Seus criadores afirmam que, em média, a adoção do Expense Mobi reduz em 30% os gastos de uma empresa com esse tipo de reembolso.
  • mPOS – Muitos profissionais liberais e microempresários deixam de faturar porque não aceitam pagamentos com cartão de crédito. Um dos motivos é o alto custo de aluguel das máquinas de POS das redes de adquirência tradicionais. A saída pode estar em transformar o seu smartphone em uma máquina de POS, acoplando um leitor de cartão, solução conhecida como mPOS. Há diversas empresas oferecendo esse tipo de serviço no Brasil, como Bin Mobile, iZettle, PagSeguro, Payleven e Sumup.
  • Pesquisas móveis – O celular pode ser um canal eficiente, rápido e barato para a realização de pesquisas de opinião. Nos últimos anos, surgiram várias empresas no Brasil oferecendo esse tipo de serviço, como MeSeems, PiniOn e OpinionBox. Para as operadoras, a Atchik recentemente criou uma solução de pesquisa via SMS, muito mais em conta e ágil do que aquela feita por ligação telefônica. O celular também tem sido usado para pesquisas de trade marketing em pontos de venda, melhorando a precisão dos dados coletados e agilizando a resposta dos fabricantes e distribuidores diante de eventuais problemas. Spring Mobile e IPDV são alguns dos fornecedores nacionais neste caso.
  • Automação de equipes de campo – Há inúmeras soluções de automação de equipes de campo disponíveis no mercado. Basicamente elas ajudam a otimizar os roteiros de ordens de serviço, economizando tempo dos técnicos e gastos com deslocamento. Alguns dos players que já foram notícia em MOBILE TIME são Clicksoftware, MC1 e Spring Mobile.
  • TEM e MDM – Soluções de gerenciamento de contas de telecomunicações (TEM) e de gerenciamento de terminais móveis (MDM) costumam reduzir em 20% os gastos das empresas e proteger o investimento feito em aparelhos. Entre os players nacionais, destaca-se a atuação da Navita nessa área, que recentemente lançou uma plataforma para pequenas e médias empresas acessarem esses serviços.

Para pessoas físicas:

  • Gestão de finanças pessoais – Muita gente tem dificuldade em gerir seus gastos mensais. Há aplicativos que podem ajudar nesse processo, como o GuiaBolso, que captura as informações de maneira automática. Para quem tem receio de entregar sua senha de Internet banking, há outras opções em que a inserção dos dados é feita manualmente, como o Mobills.
  • Renda extra – Há vários apps que podem gerar uma renda extra para as pessoas. Quem tem um quarto sobrando em casa pode alugá-lo pelo AirBNB. Quem está desempregado mas com um bom carro na garagem pode virar motorista do Uber. Quem tem coisas velhas para vender pode anunciar no MercadoLivre, OLX ou similares, tirando fotos dos produtos e publicando diretamente pelo smartphone. E quem tiver dons de artesão pode vender suas criações através do Elo7.
  • Nubank – Para quem não se conforma em pagar anuidade de cartão de crédito, o Nubank é uma boa opção. Trata-se de um cartão Mastercard platinum internacional que é todo gerido através de um app móvel, desde a solicitação e o envio de dados cadastrais, até o controle dos gastos, passando pelo desbloqueio do cartão. Mais de 400 mil pessoas já solicitaram a emissão de um cartão do Nubank.
  • Preço da gasolina no Waze – Todo mundo que tem carro e smartphone conhece o Waze. Mas nem todos os usuários do aplicativo de navegação repararam na existência de uma ferramenta de comparação de preços de combustível dentro do app. Depois de clicar em "navegar", experimente apertar o botão "preços", com um símbolo de uma bomba de gasolina, à esquerda, embaixo. O Waze apresentará uma lista com os postos de combustível mais próximos e seus respectivos preços para gasolina comum. As informações são atualizadas pelos próprios usuários. Os melhores preços estão coloridos de verde e os piores, de vermelho. Se clicar no nome de um posto, o Waze traz mais informações, como os preços para gasolina aditivada, diesel e etanol, além de ensinar como dirigir até lá.
  • Apps de comparação de preços – Para compras de alto valor é importante comparar preços. Sites como Buscapé e Zoom estão disponíveis na forma de aplicativo móvel e devem ter a sua utilização ainda mais popularizada em tempos de crise econômica e alta da inflação, pois ajudam o consumidor a encontrar a melhor oferta.
  • Carteira móvel – Para profissionais desbancarizados, a adoção de um serviço de carteira móvel como TIM Multibank, Meu Dinheiro Claro ou Zuum é uma forma de garantir maior segurança ao receber e realizar pagamentos, pois se evita andar com dinheiro vivo no bolso pela cidade. As operações podem ser feitas através de qualquer celular, mesmo que não seja um smartphone. Promocionalmente, o Zuum suspendeu suas tarifas para pagamento de contas e para transferências até o final do ano.

Notícias relacionadas