M-payment20/02/2013 às 19h10

Casas noturnas de São Paulo aderem a pagamento pelo celular

Fernando Paiva

A partir de março os frequentadores de 20 casas noturnas, a maioria localizada em São Paulo, poderão dispensar a fila do caixa na hora de pagar sua conta. Esses estabelecimentos aderiram a uma solução brasileira recém-lançada de pagamento móvel chamada Snappin. Trata-se de um aplicativo móvel disponível para Android e iOS que permite o pagamento da comanda através de cartão de crédito nas  casas conveniadas. "Agora o consumidor vai poder dançar até a última música, sem perder tempo com a fila. Acreditamos que possa até gerar um aumento de consumo para a casa noturna", comenta Ernest Petty, um dos sócios do Snappin. Será cobrada do consumidor uma taxa de conveniência de R$ 4,99 por pagamento.

O usuário precisa instalar o app em seu smartphone e preencher um cadastro que inclui, entre outros dados pessoais, o seu número de cartão de crédito. Quando entrar em uma casa noturna que aceita essa forma de pagamento, ele precisa fazer um "check-in" nela através do Snappin, em seu celular. A comanda recebida na entrada será atrelada ao seu cadastro no serviço. Pelo app, será possível acompanhar em tempo real o valor da sua conta, que poderá ser paga a qualquer momento. Uma vez feito o pagamento, o cartão da comanda fica liberado para a saída.

Nessa primeira fase, dentre os 20 estabelecimentos que aderiram, estão a boate paulista She Rocks e também algumas de fora de São Paulo, como a Privilège, em Búzios, a Na Mata, de Belo Horizonte, e a Fields, de Florianópolis. A meta prevista no plano de negócios é chegar ao fim do ano com aproximadamente 100 estabelecimentos participantes, 100 mil usuários cadastrados e 200 mil utilizações por mês.

Para divulgar a novidade, será enviado um convite por email e Facebook a cerca de 500 frequentadores assíduos dos estabelecimentos participantes. E cada um deles será estimulado a convidar mais 10 pessoas.

Modelo de negócios

Para os estabelecimentos comerciais não há qualquer custo, nem mesmo de integração. O sistema funciona somente em casas que utilizam a solução de pagamento E-Poc, fornecida pela OZ Technology, parceira no projeto do Snappin. "O dono da casa noturna ganha com a melhora da experiência do usuário", explica Petty.

Além da taxa de conveniência, outra fonte de receita no futuro pode ser o uso do app como um canal de mídia para promoções de produtos vendidos nas casas, de acordo com o perfil de consumo dos usuários. O controle digital da campanha permitiria fornecer relatórios detalhados de quantas pessoas foram impactadas e quantas efetivamente participaram da promoção.

O Snappin foi idealizado pela OZ Technology e pelo Grupo Fit, dono da She Rocks e de alguns bares e restaurantes de São Paulo que vão aderir ao projeto. O app em si foi desenvolvido pela I.ndigo e conceituado pela agência Ogilvy & Mather.