Roaming20/06/2018 às 20h10

Flexiroam X

Henrique Medeiros

Durante minha última cobertura internacional por Mobile Time na Cebit, Alemanha, tive a oportunidade de testar o adesivo SIMcard e o aplicativo Flexiroam X (Android, iOS). A solução foi gentilmente oferecida por Valéria Carrete, diretora de marketing da SIPVoice no Brasil, representante da operadora virtual Flexiroam, para análise desta publicação.

Assim como a executiva relatou na entrevista, o app cumpre seu propósito: entregou uma conexão 4G sem consumir dados de minha rede móvel nacional (da Vivo). Com 3 GB de navegação, consegui controlar tudo pela tela do meu smartphone, inclusive pude acompanhar os gastos de dados.

Aplicativo

O app em si é bem fácil de usar. Em sua aba principal, estão as opções de compra de dados por cartão de crédito, guia de uso e opção de ganhar dados ao indicar amigos, além do balanço de dados gastos durante a viagem. Na segunda aba, o app mostra todas as conexões e operadoras existentes no Flexiroam.

Na terceira parte, entra a conexão via dados, se estiver configurado, mas ainda não estiver conectado, basta deslizar o dedo para baixo para atualizar. Na quarta parte há a opção para ligações telefônicas, inclusive com opção de utilizar a agenda de contatos do próprio celular. Por fim, o app possui a área de conta do usuário, local que ele adiciona suas informações e cartão de crédito e vê seu histórico de compra.

O app ainda possui parceria com o Trip Advisor, que fornece dicas de viagem e passeios turísticos na localidade que o cliente está.

Por que usar?

Em uma Europa onde os dados pessoais são vistos como o novo petróleo, uma solução como Flexiroam é de bastante ajuda. Aquela ideia que nós (brasileiros) temos de buscar pelo primeiro Wi-Fi público para publicarmos fotos, navegarmos em redes sociais, vermos vídeos e escutarmos músicas, é bem diferente por lá. A maioria das redes públicas europeias são preparadas apenas para navegação via browser. Se o usuário quiser usar apps de mensageria, redes sociais e serviços de streaming, ele deve pagar por uma rede privada ou comprar um chip 4G local.

Pude ver o desespero de vários colegas de imprensa procurando por Wi-Fi. Ainda mais em um ambiente como a Deutsche Messe, um local amplo que recebe feiras de todos gêneros. No entanto, um bom sinal de Wi-Fi fica restrito – e instável – a alguns locais, como sala de imprensa e estandes de empresas. Por isso é importante sempre ter uma solução móvel em mãos. Inclusive, o app foi vital para resolver problemas e me manter conectado o tempo todo com a equipe de Mobile Time no Brasil. Além disso, como o Flexiroam é um adesivo, o roaming da minha operadora brasileira ficou como uma espécie de “backup”, caso o sinal do Flexiroam ficasse fraco ou indisponível.

Melhorias no horizonte

Embora seja uma solução ótima para qualquer pessoa em viagem, o Flexiroam precisa de algumas melhoras. Durante uma de minhas conexões para trocar de aeronave, na Turquia, o sinal caiu e não pude ficar conectado ao serviço durante algumas horas. O problema ocorreu devido ao sinal fraco das operadoras locais no Aeroporto de Istambul, algo que pode ser resolvido com mais parcerias ou novas relações com serviços de Wi-Fi.

Outra questão é que parte do app ainda está em inglês.

Por fim, se o app é fácil de usar, o usuário do Flexiroam deve prestar atenção quanto à configuração. Não é todo consumidor que sabe colar o adesivo no SIMcard, configurar o ponto de acesso (APN), alternar do chip da operadora brasileira para o Flexiroam, escolher rede e colocar tudo de volta ao normal na volta. Embora tenha um passo a passo no app, o ideal é configurar com o apoio de alguém especializado, ou, fazer este setup dias antes da viagem.

 

Sistema operacional: Android, iOS

Preço: A partir de R$ 99 para 100 MB