Conteúdo móvel21/09/2012 às 09h13

Vivo acrescenta 900 "nametones" ao seu acervo de som de chamada

Fernando Paiva

No auge do sucesso dos ringtones no mercado brasileiro, surgiram os "nametones", que nada mais eram do que gravações que chamavam o dono do telefone pelo nome. A moda agora chegou aos ringback tones, ou sons de chamadas, que são aquela música (ou, neste caso, uma voz gravada) que se escuta quando se liga para o usuário. A Vivo acaba de incluir em seu acervo de ringback tones 900 nametones para nomes diferentes, todos produzidos pela brasileira Kappamakki Digital. A Oi também possui alguns em sua biblioteca, mas numa quantidade muito menor.

A gravação consiste na voz de uma mulher informando que a pessoa em questão já vai atender e então grita pelo seu nome. A sensação é como se quem liga estivesse na própria casa da pessoa, esperando ela vir atendê-lo. "Este formato segue o mesmo padrão, personalizado apenas com os nomes. Mas já temos outros estilos publicados. Temos vários nametones divertidos fazendo alguma piada com o nome da pessoa ou alguma situação. Além de conteúdos especiais para datas comemorativas que já estão em produção", relata Marcia Almeida, sócia-diretora da Kappamakki Digital.

Enquanto o preço de um ringback tone musical varia de R$ 2,99 a R$ 3,99 por mês, o nametone custa mais barato porque não requer pagamento de direitos autorais. Na Vivo, a assinatura de um nametone custa R$ 1,99.

Como se trata de um produto novo, Marcia explica que ainda é cedo para fazer uma projeção de número de usuários ou de receita. Mas acredita que há muito mercado a ser explorado no Brasil e seu contrato com a Vivo não é exclusivo.