Mensageria23/02/2018 às 12h18

WhatsApp: 40% dos usuários o deixarão se começarem a receber muitos spams

Fernando Paiva

O WhatsApp (Android, iOS, Windows Phone) continua sendo o app de mensageria móvel hegemônico do Brasil. De acordo com nova edição da pesquisa Panorama Mobile Time/Opinion Box sobre mensageria móvel, o WhatsApp está instalado em 96% dos smartphones dos internautas brasileiros. E 98% dos brasileiros com WhatsApp instalado declaram usá-lo todo dia ou quase todo dia.

Porém, a popularidade do WhatsApp não é inabalável. Em determinadas circunstâncias, seu público está disposto a trocá-lo por outro app de mensageria. Por exemplo: 70% dos usuários ativos mensais (MAUs, na sigla em inglês) do aplicativo afirmam que parariam de usá-lo se o serviço se tornasse pago. E 40% o abandonariam se começassem a receber spam. O aspecto social também é importante: 38% largariam o WhatsApp se seus melhores amigos e familiares mudassem para outro app. Há, entretanto, 14% de fãs do WhatsApp que afirmam que não abandonariam o aplicativo por nenhuma dessas três razões.

Vale lembrar que acabou de ser lançado o WhatsApp Business, versão com a qual profissionais liberais e pequenas empresas poderão usar o aplicativo para se comunicar com seus consumidores. Em breve, será lançada também uma versão para grandes empresas. Se a abertura do WhatsApp para contas comerciais der certo, o app tem tudo para consolidar ainda mais a sua liderança no mercado nacional, ampliando o seu uso para além da simples troca de mensagens entre amigos, familiares e colegas de trabalho. No entanto, esta pesquisa demonstra que precisa ter mecanismos eficientes de controle antispam.

Para efeito de comparação, 76% dos internautas brasileiros têm o Facebook Messenger instalado e 15%, o Telegram.

Para essa pesquisa foram entrevistado,s em janeiro, 2.007 internautas brasileiros que possuem telefone celular. A margem de erro é de 2,2 pontos percentuais. Os dados completos estão disponíveis no relatório da pesquisa, que pode ser baixado aqui. Esta ediçào contou com o patrocínio da Infobip.