Publicidade26/06/2018 às 17h30

ESET descobre 260 apps na Google Play usando truques para fraudar publicidade

Henrique Medeiros

Pelo menos 260 aplicativos foram encontrados na Google Play com recursos fraudulentos para ganho com publicidade mobile. A descoberta foi feita pela ESET na última semana, mas a quantidade exata de apps foi informada para Mobile Time nesta terça-feira, 26.

“As aplicações analisadas não continham funcionalidades maliciosas, apenas publicidade (adware)”, disse Miguel Ángel Mendoza, especialista em segurança cibernética da ESET Latinoamérica. "São anúncios reais. Principalmente do tipo ‘clique aqui para continuar’, mas antes de seguir, você deve assistir a um anúncio em tela cheia".

O alerta da companhia de segurança avisava sobre truques usados pelos golpistas para enganar usuários na Google Play. Na loja, os fraudadores trocam o nome do publicador por uma quantidade fictícia de downloads, além de colocar fotos e nomes dos apps sem relação com seu real intuito, o adware.

"Alguns nomes foram configurados de maneira falsa, bem como número de downloads e instalações, a fim de se passar por aplicativos populares e confiáveis. Os aplicativos também são enganosos quanto à funcionalidade que oferecem, já que o objetivo real da maioria desses aplicativos é exibir anúncios”, ressaltoo. "Alguns autores também têm manipulado as descrições a fim de transmitir legitimidade. Eles usam frases como ‘aplicativos legítimos', ‘aplicações verificadas' e 'desenvolvedores confiáveis'. Alguns até incorporam um 'tic’ ou 'visto’, semelhantes às contas de celebridades nas redes sociais", completou.

Entre os aplicativos, há soluções que fingem ser jogos, fornecedores de papeis de parede, app de download de vídeo do YouTube e até controle remoto de console. Um dos apps colocou, inclusive, a quantia discrepante de 5 bilhões de downloads em sua descrição, sendo que apenas apps famosos como WhatsApp, Skype, Gmail e Facebook passaram do 1 bilhão de downloads.

Questionada sobre a origem desses apps, a ESET explicou que é difícil determiná-la, uma vez que os apps não se concentram em nenhum país específico.

Notícias relacionadas