Logística26/08/2014 às 09h46

Protocolo digital no smartphone aumenta a eficiência de serviço de entregas em São Paulo

Fernando Paiva

O Loggi, serviço de entrega de encomendas com motoboys e ciclistas em São Paulo, adotou um sistema de protocolo digital no smartphone dos entregadores. Agora, os clientes que precisam de um comprovante de recebimento podem trocar o papel pelo protocolo digital. A nova opção torna desnecessária a corrida de volta do motoboy ou ciclista para devolver o protocolo assinado, que agora vai pela Internet para o email do cliente. Das cerca de 1 mil entregas feitas pelo Loggi diariamente em São Paulo, 8% costumavam solicitar um comprovante em papel. O protocolo digital, lançado há cerca de dois meses, fez esse percentual cair para 1%.

Os entregadores usam smartphones Android com um aplicativo da Loggi instalado. É através desse app que recebem as ordens de serviço. E é com ele também que enviam o protocolo digital. Precisam apenas digitar o nome de quem recebeu a encomenda e pedir que a pessoa assine com o dedo na tela do aparelho. A data, a hora e a localização são incluídos automaticamente pelo aplicativo. "O protocolo vai para o sistema e o emissor pode acompanhar em tempo real. Isso dispensa a viagem de volta. É uma economia para o cliente e uma melhoria para o motoboy, que pode fazer mais serviços no dia. Além disso, evita a perda do protocolo físico", explica Fabien Mendez, CEO da Loggi. A empresa não cobra a mais pelo protocolo digital. "Preferimos reduzir nosso tíquete médio, mas prover um serviço melhor e com mais agilidade para o nosso cliente", comenta o executivo.

Expansão e consolidação

A Loggi conta com 1 mil motoboys e 50 ciclistas. Por enquanto presente apenas em São Paulo, a empresa planeja a expansão para mais duas cidades, o Rio de Janeiro entre elas. Paralelamente, a Loggi está fazendo testes com mais um meio de transporte para entregas, mas ainda não decidiu se vai lançá-lo este ano. "O maior desafio de uma start-up é manter o foco. Adoraria dizer que vamos fazer de tudo, mas diluiria a nossa energia", explica Mendez.

O executivo entende que ainda é cedo para haver uma consolidação no mercado de apps de entrega de encomendas. "Entre apps de táxi levou três anos para isso acontecer. No nosso segmento, estou vendo cada vez mais players entrando. Uma consolidação só vai acontecer daqui a alguns anos. Esperamos ser consolidadores", conclui.