Redes sociais27/11/2013 às 18h55

Adolescentes migram do Facebook para redes sociais móveis

Da Redação

O Facebook está virando coisa de velho. Essa é uma das possíveis leituras dos resultados de uma pesquisa mundial da GlobalWebIndex com adolescentes entre 16 e 19 anos (sem incluir o mercado chinês, cabe ressaltar). Entre o primeiro e terceiro trimestres deste ano, houve uma queda de 17% na quantidade de pessoas nessa faixa etária que disseram ser usuários ativos do Facebook. Por outro lado, houve um boom em plataformas móveis. A pesquisa tomou cuidado em separar a versão em aplicativo móvel daquela para web de serviços como Skype, Flickr e o próprio Facebook. No top 20 das redes sociais que mais cresceram, nada menos que 15 são apps móveis. As cinco com maior crescimento no período foram WeChat (1.021%); Vine (639%); app do Flickr (254%); app do Skype (105%); e app do Facebook Messenger (89%). Obviamente, os altos percentuais averiguados nas primeiras colocações estão relacionados ao fato de alguns desses serviços terem sido lançados recentemente.

Entre as explicações para essa migração está a questão da privacidade. Quando pais, tios e avós começam a usar o Facebook, os jovens buscam outros canais onde se sintam mais à vontade. Ao mesmo tempo, o boom de smartphones contribui para o crescimento das plataformas móveis, incluindo o próprio Facebook. Veja o top 20 na tabela abaixo.

Fonte: GlobalWebIndex

Penetração

Quando analisada a penetração dessas redes sociais no público adolescente, o Facebook continua líder absoluto, com 56%, seguido pelo seu próprio app móvel (43%). Entre as redes unicamente móveis, o melhor desempenho é do Instagram, usado por 19% dos adolescentes. A GlobalWebIndex destaca o resultado do SnapChat, utilizado por 10% dos respondentes, acima, portanto, de nomes mais conhecidos como Pinterest e LinkedIn. O SnapChat poderia figura na lista daquelas redes com maior crescimento, mas não fora incluída no questionário do trimestre anterior. WeChat e Vine são usados por 5% dos adolescentes por enquanto. Veja o top 20 em penetração no terceiro trimestre na tabela abaixo.

Fonte: GlobalWebIndex