|Mobile Time Latinoamérica| Os dois principais casos de uso da IA generativa no setor de telecomunicações até o momento são: atendimento ao cliente e atualização de códigos de sistemas para a migração para a nuvem. Essa foi a constatação de executivos que participaram de painel sobre o tema no M360, evento realizado pela GSMA nesta quinta-feira, 6, na Cidade do México.

Em atendimento, a maioria dos casos ainda é de apoio aos atendentes, com o sistema de IA generativa sugerindo respostas. Porém, a sul-coreana SK Telecom está prestes a lançar o que chama de um “agente de IA”, que será capaz de fazer o atendimento em primeiro nível com o consumidor. Ele foi treinado com LLMs específicos para o setor de telecom e conseguirá realizar ações nos sistemas da operadora para atender as demandas do cliente.

A atualização de código, por sua vez, tem ajudado não apenas as teles, mas empresas dos mais variados setores, como os bancos, a economizar tempo e trabalho no processo de migração para a nuvem. Dependendo da complexidade, esse é um tipo de projeto que demanda centenas de horas de desenvolvedores. Com IA generativa, o código pode ser gerado no mesmo dia, mas demanda, obviamente, uma revisão por parte dos técnicos.