A evolução dos pagamentos por aproximação e QR code no Brasil

Pouco a pouco, o brasileiro saca do bolso o smartphone em vez da carteira para fazer pagamentos dentro de lojas. As tecnologias mais utilizadas são o pagamento por aproximação e o QR code.

O pagamento por aproximação também é chamado de pagamento sem contato. Basta chegar o smartphone perto da máquina para pagar.

A tecnologia por trás do pagamento por aproximação se chama NFC (Near Field Communications). Ela está presente nos smartphones top de linha e na maioria das máquinas de cartão, sinalizadas por um símbolo de “ondinhas”.

Para pagar por aproximação usando o smartphone, é preciso cadastrar um cartão de crédito ou de débito em algum aplicativo de pagamento, como Apple Pay, Samsung Pay, Google Pay ou outros.

36% dos brasileiros com smartphone já pagaram por aproximação usando o aparelho. Dois anos atrás eram 17%.

O pagamento por aproximação é mais comum entre homens (41%) e entre jovens de 16 a 29 anos (40%).

Por sua vez, o pagamento por QR code não depende de nenhuma tecnologia especial: basta uma câmera e um app de alguma carteira de pagamentos capaz de lê-lo.

Vários apps de contas de pagamento, como Picpay, iti, Ame e Rappi, criaram seus próprios QR codes para lojistas. Mas o que mais cresce hoje em dia é o uso do QR code para pagar com Pix, que funciona com todos os bancos.

58% dos brasileiros com smartphone já pagaram com QR code. Um ano e meio atrás eram 35%. O hábito é mais comum entre homens (64%) e entre jovens de 16 a 29 anos (63%).

A pesquisa Panorama Mobile Time/Opinion Box entrevistou, entre 4 e 16 de agosto de 2021, 2.100 brasileiros com mais de 16 anos que possuem smartphone. A margem de erro é de 2,2 pontos percentuais.