Anatel VS robocalls

Um dos maiores problemas do serviço de telefonia celular hoje no Brasil são as chamadas de telemarketing.

Todo mundo recebe diariamente ligações de empresas com as quais não se relacionam e para as quais nunca autorizaram o contato.

Para ser mais exato, 92% dos brasileiros com smartphone já receberam chamadas indesejadas de televendas, segundo pesquisa Mobile Time/Opinion Box.

Dentro desse problema, há outro mais específico e tão chato quanto: as ligações feitas por robôs que desligam na sua cara quando você atende.

Esse recurso é usado por call centers de telemarketing ativo para realizar várias chamadas simultaneamente.

Os incautos que atendem primeiro são direcionados para atendentes humanos. Quem demora um pouco mais, é descartado.

Esse recurso também é usado para confirmar a validade dos números contidos em um banco de dados. Se alguém atender e disser alô, é um número válido.

A Anatel vem tomando uma série de medidas para combater esse problema.

A primeira, anos atrás, foi criar uma lista de “não perturbe”, na qual os consumidores cadastram seus números para não receber chamadas de telemarketing.

A segunda medida foi obrigar as chamadas de telemarketing a serem identificadas com o prefixo 0303. Mas nem todas empresas respeitam a exigência

A terceira foi proibir as “robocalls”, com possibilidade de multa de até R$ 50 milhões.

As operadoras devem alertar a Anatel sobre empresas que façam mais de 100 mil chamadas por dia com menos de 3 segundos de duração.

A medida mais recente foi autorizar as operadoras a cobrarem por chamadas com menos de 3 segundos de duração. Isso talvez iniba as robocalls.

Leia essas e outras matérias sobre o problema das robocalls no Mobile Time.