Qual o modelo de negócios preferido do brasileiro para acessar apps?

O smartphone e seus aplicativos móveis fazem parte da rotina diária dos brasileiros, mas poucos estão dispostos a pagar pelo download de um app.

Apenas 21% daqueles que têm um smartphone já compraram um app, informa a pesquisa Panorama Mobile Time/Opinion Box de junho de 2022.

E 67% dos que nunca compraram um aplicativo justificam o comportamento com uma resposta simples e direta: nunca viram necessidade para fazê-lo.

Mas qual é então a maneira preferida do brasileiro de acessar um aplicativo móvel?

A pesquisa perguntou: ”De qual das maneiras abaixo você prefere acessar um app que seja útil e/ou ofereça conteúdo interessante para você?”

Foram apresentadas quatro opções de resposta: 1) De graça, mas com exibição de publicidade

2) De graça, mas com meus dados pessoais sendo comercializados para terceiros;

3) Parcialmente de graça (alguns conteúdos/ funcionalidades são abertos e outros requerem pagamento)

4) Pagando, mas sem publicidade e com a garantia de que meus dados não serão comercializados para terceiros.

A forma preferida do brasileiro de acessar apps é em troca da exibição de publicidade, apontam 44% dos respondentes.

Chama a atenção que o percentual é maior entre os mais velhos, com 50 anos ou mais de idade (51%), e menor entre os mais jovens, de 16 a 29 anos (38%).

Usuários das classes A e B apresentaram um percentual maior de preferência pelo modelo de publicidade (48%) do que aqueles das classes C, D e E (42%).

A segunda maneira mais popular é aquela que o mercado chama de “freemium”, em que o download é gratuito, mas certas funcionalidades requerem pagamento, escolhida por 27%.

Apenas 20% dos brasileiros com smartphone estão dispostos a pagar por um app, mesmo com a garantia de que não haverá publicidade nem coleta de seus dados pessoais.

E somente 10% preferem acessar de graça em troca de seus dados pessoais.

Para ler o relatório integral da pesquisa, acesse o site do Mobile Time!