Apostas08/06/2018 às 18h21

Aplicativo quer que você faça suas previsões sobre o futuro

Isabel Butcher

Quem vai ganhar o trono de ferro em Game of Thrones? Mark Zuckerberg vai renunciar como CEO do Facebook? Haverá eleições presidenciais em 2018 no Brasil? Quem levantará o caneco na Copa do Mundo? Perguntas relevantes, e outras nem tanto, fazem parte da plataforma social de previsões Futuur (Android), que une as premissas do Mercado de Previsões – método de usar a inteligência coletiva para estimar a chance para um evento acontecer – à dinâmica dos jogos.

“Nossa meta é criar um sistema para gerar as previsões mais corretas e mais precisas possíveis”, conta Tom Bennett, CEO da plataforma. “A ideia é que, com a atividade do mercado e todos apostando, o preço vai variando e vai refletindo, naquele momento, qual a chance real daquele resultado acontecer. Pelo menos a teoria é essa e, até agora, tem sido comprovado  que funciona”, completa Bennett.

Como funciona

Depois de um simples cadastro, o jogador recebe, automática e gratuitamente, 1 mil Ooms (ø), moeda virtual do jogo utilizada para fazer apostas, e que vale pontos. “Sua quantidade de ooms reflete o quão bom em prever o futuro você é”, explica Bennett.

Cada resultado potencial tem um preço, que varia de 0ø a 1ø. E o preço pago representa a porcentagem de chance de acontecer aquele resultado, segundo o “mercado” do Futuur. Exemplo: se um usuário quer participar da pergunta “Quem vence a partida: Flamengo, Fluminense ou dá empate?”, e está 40% de chance para o Flamengo, 40% para o Fluminense e 20% para o empate, o jogador irá comprar ações de um dos três resultados - que ele acredita ter mais chances do que o valor da porcentagem de acontecer. Digamos que o jogador, então, aposte na vitória do Flamengo: neste caso, paga 0,40 de ooms por ação. Nessa aposta, o usuário pode comprar, por exemplo, 100 ações, pagando portanto 40 ooms. Se o time ganhar, ele recebe de volta, 100 ooms. “Ou seja, você vai ganhar 1 para cada ação que você comprar”, explica Bennett.

Para cada pergunta, a quantidade máxima de ações que podem ser compradas é de 1 mil, pagando o preço indicado. Já a quantidade mínima é de 1 ação. Se o preço for 0,50 ooms, você pode comprar 1 mil ações, pagando 500 ooms, por exemplo.

É possível, também, vender a qualquer momento suas ações, tal como uma bolsa de valores. Vamos supor que o usuário tenha apostado no Flamengo, mas, no meio do jogo, o Fluminense está ganhando. É possível vender suas ações no meio do jogo ao preço que está naquele momento e que, muito provavelmente, estará mais baixo do que quando as ações foram compradas. “Você vai perder, mas não tanto quanto você perderia se mantivesse suas ações no time perdedor até o final da partida", explica Bennett. Neste caso, o usuário poderia, inclusive, comprar as ações do Fluminense, depois de se livrar das ações do Flamengo, ao longo da partida. No entanto, não é possível apostar em mais de um resultado sobre uma pergunta.

Questões

O aplicativo encontrou alguns percalços, já que a lei brasileira proíbe apostas com dinheiro e a Apple Store veta qualquer app do tipo. No momento, apenas usuários de Android podem experimentar o Futuur. A Apple entende que não pode distribuí-lo por aqui. De qualquer forma, interessados podem apostar no site futuur.com.br, enquanto o app não está disponível.

Modelo de negócios

Quanto ao modelo de negócios, Bennett explica que ele ainda está em aberto. “O mais provável é que a gente coloque uma camada de apostas com dinheiro de verdade. Vamos manter os jogos gratuitos porque têm muito pouca fricção e todos podem participar e a gente atinge mais rapidamente nossa meta de previsões melhores. Mas algumas envolverão dinheiro e, nesse caso, a empresa tomaria uma porcentagem como comissão (sem um valor definido, ainda)”.

A principal meta da empresa, no momento, é aumentar a base de usuários ativos mensais (MAUs). Isso porque, quanto mais gente apostando, melhores e mais precisas são as previsões.