Cerca de 40 bancas de jornal em São Paulo agora contam com uma máquina de POS que permite comprar e vender diversas criptomoedas, como Bitcoin, Ethereum, NPXS, dentre outras, assim como receber pagamentos com essas moedas virtuais. Trata-se da X POS, criada pela startup Pundi X, de Cingapura, também presente em outros 24 países. No Brasil, além de São Paulo, a novidade acaba de chegar ao Rio de Janeiro.

Os donos das bancas ganham uma pequena participação sobre as transações e têm liberdade para defini-la dentro de um limite máximo de 10% estabelecido pela Pundi X, que por sua vez fica com um spread de 1% sobre o valor transacionado. As altas taxas bancárias e das redes de adquirência no Brasil tornam a solução atraente para os pequenos comerciantes, além de representar uma nova fonte de receita para eles, argumenta Zac Cheah, CEO da Pundi X. Ele está em visita ao Brasil nesta semana e conversou por telefone com Mobile Time.

A Pundi X também busca parcerias com grandes empresas no Brasil para distribuir sua máquina de POS e seu cartão X Pass, através do qual os consumidores conseguem realizar transações com criptomoedas.

Venezuela e Argentina

Além do Brasil, a empresa está de olho em países da América Latina cuja moeda esteja enfraquecida, pois neles as criptomoedas se tornam uma saída contra a instabilidade financeira local. É o caso da Venezuela, onde a Traki, um grande varejista local, adotou a X POS. E Cheah espera um crescimento da demanda na Argentina, diante do aumento da inflação e depois que o governo decidiu impor restrições à compra de dólares. “A população quer preservar o valor do seu salário”, comenta o executivo.

Smartphone Blockchain

As máquinas X POS compõem uma rede em blockchain mundial da Pundi X, chamada Function X. Na virada do ano, a companhia lançará o Blok on Blok (BOB), o primeiro smartphone capaz de realizar chamadas e trocar mensagens de texto através de blockchain. Os aparelhos vendidos serão nós na mesma rede blockchain. O BOB, que também funciona como um smartphone Android tradicional, será vendido online por US$ 600 para o mundo inteiro. O primeiro lote produzido será de 5 mil unidades.

Paralelamente, a Pundi X lançará em breve um SDK para que desenvolvedores criem apps para operar em blockchain na rede Function X. Um primeiro exemplo foi apresentado no começo do ano durante o Mobile World Congress: um app de chamada de táxi que funciona em blockchain, ou seja, de maneira descentralizada, sem a necessidade de um servidor central.

“Queremos ser o sistema operacional para comunicações descentralizadas em blockchain. Esperamos que qualquer aplicação que hoje existe na Internet tradicional vai existir na Internet blockchain. Haverá um Facebook descentralizado, um Airbnb descentralizado, um Uber descentralizado etc. Esse é o nosso desejo”, comentou o executivo.

Mobishop

O country manager da Pundi X no Brasil, João Victor Mendes, apresentará a solução de venda de criptomoedas em máquinas de POS no Mobishop 2019, no dia 8 de outubro, no WTC, em São Paulo. O seminário, que é organizado por Mobile Time, terá também painéis e palestras com executivos do Banco do Brasil, Bradesco, Itaú Unibanco, Banco Central, Banco Original, Banco Inter, Rappi, Magazine Luiza, Mercado Pago, Mastercard, Delivery Center, dentre outros. A programação completa e mais informações estão disponíveis em www.mobishop.com.br, ou pelo telefone 11-3138-4619, ou pelo email eventos@mobiletime.com.br