O Ubook é conhecido pelo seu amplo catálogo de audiolivros, composto por 15,5 mil títulos, a grande maioria produzidos em seus estúdios, com seus próprios locutores, a partir de parcerias com as editoras que lançaram as versões impressas. Agora, a companhia brasileira entra em uma nova e importante fase de sua história: começa produzir conteúdo original em áudio, assim como a comprar os direitos de livros estrangeiros inéditos no Brasil para lançá-los em áudio, ebook e também em formato impresso, no modelo de impressão sob demanda (ou PoD, na sigla em inglês). Ou seja, está ampliando sua atuação como produtora de conteúdo. Seu benchmark é o Netflix, mas com foco em áudio e texto digital.

“Ter conteúdos inéditos e originais é uma forma de nos diferenciarmos. Vamos oferecer entretenimento de forma completa em áudio e texto. Mas nunca em vídeo. Não vamos competir com a tela do celular”, explica João Campelo, sócio e gerente de negócios do Ubook.

Como conteúdo original, a empresa aposta em um formato de “audioshows”. Haverá desde minidocumentários até apresentações de stand-up comedy. A proposta é que sejam conteúdos de curta ou média duração, entre 30 e 40 minutos cada.

Também está nos planos a produção de notícias em áudio, serviço batizado como Ubook News, em parceria com agências de notícias, dentre elas a Reuters. Ao receber as notícias dos parceiros jornalísticos, estas serão gravadas por locutores do Ubook e disponibilizadas na plataforma imediatamente depois. O tempo médio para a produção de cada nova notícia em áudio é de 10 minutos. As notícias serão agrupadas em editorias e os ouvintes poderão montar playlists para escutarem na ordem que quiserem e quando acharem melhor. Outra vantagem é ouvir a notícia narrada por uma voz humana de um locutor profissional, e não uma voz robótica de um software de text to speech. “A gente preza pela qualidade. Nosso DNA é de áudio. Temos estúdio dedicado para gravar as notícias no momento em que elas chegam”, explica Campelo.

Para a produção de conteúdo original, o Ubook abriu uma nova sala com mais cinco estúdios de gravação no Rio de Janeiro. E está montando uma equipe com roteiristas, produtores de áudio, locutores e jornalistas.

A ideia é disponibilizar os primeiros conteúdos originais no fim deste primeiro semestre.

Títulos inéditos

Paralelamente, os executivos da companhia têm visitado feiras literárias mundo afora para a aquisição de direitos de livros estrangeiros para lançamento no Brasil. Já compraram mais de 200 títulos. Eles estão sendo traduzidos para lançamento como audiolivro, ebook e impresso sob demanda. Três já foram publicados e a partir de agora esse processo será acelerado, com previsão de lançamento de 10 novos títulos por mês, em média.

“Procuramos livros que já tenham um bom histórico de vendas em outros mercados, e que tenham aderência em categorias de alto consumo”, explica o executivo. Algumas são obras com milhões de exemplares vendidos no exterior, afirma.

Expansão e IPO

João Campelo, sócio e gerente de negócios do Ubook

A nova fase do Ubook coincide com seus preparativos para abertura de capital, prevista para o segundo semestre no Canadá. A capitalização vai permitir aumentar ainda mais a produção de conteúdo original, expandir o catálogo com licenciamento de obras e acelerar a expansão internacional. Hoje, o Ubook está presente na Colômbia, Mexico, Chile e Espanha, mas tem no seu roadmap mais 18 países, incluindo mercados no Caribe, Ásia e ilhas do Pacífico.

Tela Viva Móvel

Campelo fará uma palestra sobre como o conteúdo em áudio está ganhando força no Brasil e como o Ubook está explorando novos formatos em audiopublishing durante o Tela Viva Móvel 2019. O seminário acontecerá no dia 6 de maio, no WTC, em São Paulo. A programação atualizada e mais informações sobre o evento estão disponíveis em www.telavivamovel.com.br, ou eventos@mobiletime.com.br, ou pelo telefone 11-3138-4619 (fale com Andrea Sternadt).