As remessas globais de smartphones caíram 13%, para 269,8 milhões de unidades, no primeiro trimestre de 2023, em comparação com o mesmo período de 2022, segundo a pesquisa mais recente da Canalys.

A Samsung se manteve na liderança, uma vez que voltou ao topo do  ranking de fabricantes que mais venderam no fim de 2022, apesar da queda de 18% no volume de unidades comercializadas, totalizando 60,3 milhões. O resultado foi impulsionado por um portfólio atualizado de produtos. Segundo análise da Canalys, seu desempenho mostra os primeiros sinais de recuperação, após um final de ano difícil em 2022. Esta recuperação está ligada a lançamentos de produtos, que ajudaram no aumento do volume de sell-in.

Gráfico mostra tendência da venda de smartphones, em milhões de unidades (crédito: divulgação)

Ainda assim, a previsão é que a Samsung, com market share de 22%, tenha que navegar por um cenário difícil daqui para frente, principalmente porque o estoque de dispositivos básicos continua alto. A queda no lucro do seu negócio de semicondutores também fará com que a empresa tenha um gasto de marketing mais conservador.

A Apple ficou em segundo lugar no ranking, com 58 milhões de unidades vendidas. A fabricante foi a única a crescer (+3%) ano a ano, entre os cinco principais fornecedores, alcançando market share de 21%. De acordo com análise da consultoria, a companhia teve um desempenho robusto no primeiro trimestre, principalmente na região da Ásia-Pacífico. Os investimentos da Apple em canais offline atraíram uma parcela crescente da classe média que valoriza a experiência de compra na loja.

A Xiaomi ficou na terceira posição, com 30,5 milhões de unidades enviadas (-22%) e um market share de 11%. OPPO e vivo completaram os cinco maiores vendedores de smartphone do trimestre, enviando 26,6 milhões (-8%) e 20,9 milhões de unidades (-17%), respectivamente, garantindo 10% e 8% de market share.

Análise

De acordo com a análise da Canalys, o segmento de smartphones de preço médio começou a se recuperar, após grandes quedas em 2022. Os vendedores estão focando em oportunidades de trade-down, com ofertas fortes de custo-benefício para consumidores com poder de compra limitado. O que ajuda é a redução no preço dos componentes e aceleração de atualizações de especificações dos produtos intermediários.

No entanto, a previsão da consultoria é que a demanda por dispositivos intermediários permaneça limitada, em 2023, devido aos desafios macroeconômicos e à ausência de diferenciais nessa faixa de preço. Além disso, com a diminuição nos estoques de suprimentos, os preços dos componentes podem começar a aumentar rapidamente, tornando a venda de aparelhos com especificações mais baixas menos sustentáveis a longo prazo.

Para a Canalys, o mercado continua desafiador. A consultoria mantém sua previsão de quedas marginais para 2023. As taxas de queda começarão a melhorar em breve, mas isso está relacionado à diminuição do alto contraste entre 2022 e 2023. A expectativa é que o mercado de smartphones deve ganhar impulso no segundo semestre, quando os estoques atingirem níveis mais saudáveis, com estabilização das remessas em torno dos níveis de 2022.