Durante a quarentena, a Rappi dobrou a sua base de shoppers, como são chamados os colaboradores que vão aos mercados realizar as compras pedidas pelos consumidores. O número passou de 600 para 1,2 mil no Brasil inteiro em dois meses. Esses profissionais levam consigo um smartphone fornecido pela Rappi no qual estão instalados os aplicativos necessários para o seu dia a dia no trabalho, incluindo um para o recebimento dos pedidos e outro para a comunicação com o suporte técnico da Rappi. Até então, a empresa não usava nenhuma ferramenta de gerenciamento de mobilidade corporativa (EMM, na sigla em inglês), limitando-se a enviar o aparelho com um termo de responsabilidade para o colaborador assinar. Mas, diante do rápido crescimento da equipe, a Rappi decidiu que havia chegado a hora de aprimorar a gestão do seu parque de aparelhos.

“Estava muito difícil realizar a gestão apenas com planilhas e com os termos assinados no ato da entrega”, relata Rafael Gusmão, responsável pela área de TI no Brasil da Rappi.

A empresa adotou uma solução de EMM desenvolvida pela Navita e fornecida em parceria com a operadora móvel com a qual a Rappi contratou as linhas. Em uma primeira fase, a solução se restringe aos aparelhos dos 600 novos shoppers. O projeto foi implementado em tempo recorde: a instalação da solução e dos aplicativos da Rappi dentro dos celulares aconteceu em apenas três dias, ao longo de um fim de semana.

Com a ferramenta, os gestores da Rappi têm visibilidade e controle sobre todo o parque de terminais a partir de um painel na web. Somente apps autorizados pela empresa podem ser instalados nesses smartphones, o que pode ser feito remotamente, over the air (OTA). Ao impedir a instalação de qualquer app, a Rappi consegue reduzir o consumo de dados nas suas linhas corporativas. “Sem a ferramenta de gerenciamento de dispositivos, era alto o índice de chamadas solicitando aumento dos pacotes de dados. Quando deixamos aberto para outros apps, a Internet acaba rapidamente e a produtividade diminui”, relata Gusmão.

A solução de EMM garante também que a empresa atenda adequadamente as exigências da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), como explica o gerente de canais da Navita, Rodrigo Ferreira: “Tudo o que está gravado na memória interna ou no cartão de memória é criptografado. Se tiver algum vírus ou se um hacker conseguir entrar, o conteúdo está protegido, então não vaza nenhum dado. Além disso, conseguimos bloquear que sejam instalados outros apps ou de fontes desconhecidas”.

O projeto começou com o gerenciamento de 600 smartphones, mas prevê expansão para até 2,5 mil aparelhos ao longo do tempo.

Live

O presidente da Rappi no Brasil, Sergio Saraiva, participará nesta quinta-feira, 4, entre 9h30 e 11h, da live “Entrega em casa: a explosão de demanda em apps de delivery na quarentena“, organizada por Mobile Time. Ele contará com a companhia de Danilo Mansano, diretor geral do 99Food; Fabien Mendez, CEO da Loggi; e Saulo Brazil, co-CEO do Delivery Center. Mais informações estão disponíveis na página do evento no Sympla ou diretamente com a equipe do Mobile Time em eventos@mobiletime.com.br, 11-3138-4619 (WhatsApp) e 11-96619-5888.