14 investimento

|Atualizado em 13 de agosto às 20h45 com os posicionamentos do Banco Central e da Febraban| A segunda fase do open banking foi lançada nesta sexta-feira, 13, com uma série de restrições pré-estabelecidas e também com bastante cautela por parte das instituições financeiras. Por enquanto, a segunda fase está limitada a 0,1% da base dos bancos (para transmissão de dados), restrita apenas a dados cadastrais, e operando somente entre 8h e 18h. 

Fontes do setor ouvidas por Mobile Time relatam que algumas instituições financeiras enfrentaram problemas técnicos neste primeiro dia de implementação da segunda fase do open banking, em razão de exceções que não teriam sido previstas nos testes preliminares. Mas não seria um problema generalizado.

O Banco Central confirmou que houve problemas. “Mesmo tendo ocorridos testes bilaterais entre as instituições nas últimas semanas, ocorreram dificuldades técnicas nas tentativas de conexão entre as instituições. Ajustes pontuais são naturais e esperados no início de funcionamento de qualquer solução complexa e inovadora, motivo pela qual optamos por uma estratégia de lançamento progressivo desta fase, com limites operacionais. As instituições participantes trabalharão ao longo do fim de semana para que os ajustes necessários estejam implantados até a próxima segunda”, respondeu a autarquia em comunicado enviado a Mobile Time. E ressaltou: “É preciso destacar que, dentro da arquitetura do Open Banking, as instituições participantes conectam-se diretamente, baseada nas especificações técnicas definidas pelo mercado, não havendo nenhuma dependência operacional em relação ao Banco Central.”

A Febraban, por sua vez, enviou o seguinte posicionamento: “Conforme esperado, este primeiro dia foi utilizado para ajustes pelas instituições participantes em uma estratégia de implementação gradual que uma infraestrutura deste porte requer. Continuaremos monitorando as respostas da infraestrutura nestes primeiros dias e aplicando melhorias contínuas nos processos de comunicação das APIs.”

Levantamento feito por Mobile Time nos apps dos grandes bancos nesta sexta-feira não encontrou em nenhum deles o uso do open banking no processo de abertura de nova conta. Contudo, o insucesso pode estar relacionado à restrição de base neste começo da segunda fase. Além disso, a maioria das instituições ainda está desenhando os produtos financeiros atrelados ao open banking, sendo cautelosa na oferta. 

Mais de 100 instituições financeiras estão aptas a operar com open banking no Brasil nesta segunda fase. Contudo, somente para 11 bancos de grande porte a disponibilização das APIs é obrigatória. Entre as demais, a entrada na segunda fase é voluntária. A expectativa é de que estas últimas só implementem a novidade ao longo dos próximos meses. 

O alcance da segunda fase sobre a base de usuários será ampliado gradativamente, chegando a 100% em 25 de outubro. O compartilhamento de dados financeiros, como extrato e saldo em conta, começará daqui a 30 dias. E o compartilhamento de dados do cartão de crédito, daqui a 45 dias.

MobiFinance

Um balanço dos primeiros meses do open banking e as expectativa para a sua evolução serão tema de um painel durante o MobiFinance, novo nome do Mobishop, evento online realizado por Mobile Time. Sua quarta edição está marcada para os dias 19 e 20 de outubro. Mais informações estão disponíveis no site www.mobifinance.com.br