Em vez de desenvolver um padrão nacional de QR code para a plataforma brasileira de pagamentos instantâneos, o País deve adotar o padrão internacional EMV, que já é utilizado em vários mercados no exterior. A nova proposta foi apresentada nesta semana durante reunião do Fórum Pagamentos Instantâneos (Fórum PI), grupo que reúne representantes do Banco Central e do mercado para a definição da regulamentação dos pagamentos instantâneos. O Brasil deve trabalhar tanto com QR codes estáticos quanto dinâmicos, para recebedores e pagadores, assim como com QR codes gerados de forma offline.

Tanto o padrão de QR code quanto o fluxo de troca de informações para a realização de um pagamento instantâneo ainda podem ser alterados: o Fórum PI está aberto a receber sugestões sobre esses aspectos até o dia 7 de agosto.

O padrão EMV é o mesmo defendido pelo Mercado Pago, que na semana passada propôs um acordo entre players do mercado de pagamentos para viabilizar a interoperabilidade nas transações antes mesmo da publicação da regulamentação definitiva pelo Banco Central.

Mobishop

O processo de construção da plataforma nacional de pagamentos instantâneos será um dos temas debatidos na segunda edição do Mobishop, seminário organizado por Mobile Time, que acontecerá no dia 8 de outubro, no WTC. Breno Lobo, assessor sênior do BC e um dos coordenadores do Fórum PI, está confirmado como palestrante no evento. Outros assuntos previstos na agenda do Mobishop são 3DS 2.0, blockchain para pagamentos e o surgimento de super-apps no Brasil. A agenda atualizada e mais informações estão disponíveis em www.mobishop.com.br, ou pelo email eventos@mobiletime.com.br, ou pelo telefone 11-3138-4619.