5

Ilustração: La Mandarina Dibujos

Acatando as diretrizes do governo indiano, o Google anunciou, nesta quarta-feira, 25, mudanças no seu modelo de negócio envolvendo o Android, na Índia. A companhia – que tem como prazo final até quinta-feira, 26, para se adequar às ordens da Comissão de Competição da Índia (CCI) – está revendo acordos com fabricantes de smartphones e outros parceiros e vai alterar regras para pré-instalação de apps, promovendo mudanças importantes no seu sistema operacional.

O Google permitirá que fabricantes, na Índia, licenciem apps para serem pré-instalados em dispositivos Android. Agora, os usuários também terão a oportunidade de mudar o motor de busca do celular e usar outras opções de sistemas de pagamento, que não sejam do próprio Google, para processar compras digitais dentro de apps, a partir de fevereiro.

“A implementação dessas mudanças em todo o ecossistema será um processo complexo e exigirá um trabalho significativo de nossa parte e, em muitos casos, esforços de parceiros, fabricantes de equipamentos originais (OEMs) e desenvolvedores”, disse o Google, em comunicado.

Essas foram as mudanças anunciadas pela companhia: 

  • Os OEMs poderão licenciar aplicativos individuais do Google para pré-instalação em seus dispositivos;
  • Os usuários indianos agora terão a opção de escolher seu mecanismo de pesquisa padrão por meio de uma tela de escolha que aparecerá quando um usuário configurar um novo smartphone ou tablet Android na Índia;
  • Os requisitos de compatibilidade do Android estão sendo atualizados, introduzindo alterações para que os parceiros criem variantes não compatíveis ou bifurcadas do sistema operacional;
  • Os desenvolvedores poderão oferecer aos usuários a opção de escolher um sistema de cobrança alternativo ao sistema de cobrança do Google Play ao comprar conteúdo digital no aplicativo;
  • Foram feitas alterações no fluxo de instalação do Android e no recurso de atualização automática para aplicativos e lojas de aplicativos baixados por sideload, garantindo que os usuários entendam os possíveis riscos de segurança.

A companhia afirmou que continuará a apelar contra a decisão, mas promoverá as mudanças para se adequar às diretrizes da CCI. O Google também não menciona se tomará medidas em relação a outros requisitos do governo indiano. Entre as ordens, a CCI pedia para que fabricantes não fossem forçados a pré-instalar os apps do Google e para que os usuários tivessem o direito de excluir apps do Google do dispositivo, como YouTube e Gmail.