O governo australiano baniu as chinesas ZTE e Huawei da montagem da infraestrutura da rede 5G no país. O motivo tem a ver com a segurança na rede.

A Austrália está passando por uma crise política. Na última sexta-feira, 24, o primeiro-ministro Malcolm Turnbull renunciou depois que legisladores de seu conservador Partido Liberal votaram para substituí-lo por Scott Morrison, que havia sido tesoureiro e ministro interino dos assuntos internos.

Um comunicado de Morrison, antes de se tornar primeiro-ministro, e do senador australiano Mitch Fifield confirmou que as operadoras podem ser impedidas de comprar equipamentos de empresas que operam em certos países sob os novos regulamentos de telecomunicações estabelecidos em setembro, mas o anúncio não menciona a Huawei, ZTE ou China pelo nome. Em vez disso, refere-se a “fornecedores que provavelmente estão sujeitos a instruções extrajudiciais de um governo estrangeiro que conflitam com a lei australiana”.

A natureza da tecnologia 5G significa que os protocolos de segurança que regem redes anteriores não protegem suficientemente contra ameaças à segurança nacional, de acordo com uma declaração do tesoureiro Scott Morrison e do Ministro das Comunicações, Mitch Fifield.

Especialistas dizem que é muito provável que os EUA tenham influenciado a decisão da Austrália. O país faz parte da aliança de inteligência “Cinco Olhos”, juntamente com Canadá,  Nova Zelândia, Reino Unido e EUA, e é um parceiro comercial próximo dos Estados Unidos.

Em carta aberta aos membros do Parlamento australiano, a Huawei chamou as preocupações do governo australiano de “mal informadas e não baseadas em fatos”. O texto aponta que a Huawei está operando na Austrália há mais de 15 anos – levantando a questão de por que o governo está tentando empurrá-la para fora agora.

Em seu comunicado, o governo australiano disse que as redes 5G, ainda em estágios preliminares, apresentam novas questões de segurança. Ryan Kalember, vice-presidente sênior de segurança cibernética da Proofpoint, diz que a grande diferença entre o 5G e as redes 3G e 4G tradicionais é que o 5G depende mais de softwares flexíveis e poderosos, tornando as auditorias de segurança muito mais difíceis. “Esse é um risco que o governo australiano acha que não pode mitigar”, diz Kalember.