O mistério em torno do modelo de negócios que o Google vai adotar na oferta de sua plataforma de RCS para as operadoras começa a ser desvendado. A empresa vai trabalhar com dois modelos: por mensagem única (notificação) e por conversa.

No modelo por mensagem única, que se assemelha à utilização atual do SMS A2P, o Google não terá participação na receita. Ou seja, brokers e operadoras poderão vender livremente o serviço de notificações via RCS sem dividir com mais ninguém – e poderão até cobrar mais caro do que o preço do SMS corporativo de hoje em dia, já que no RCS as mensagens podem ser multimídia, com imagens, vídeos e áudios, além da vantagem de essa tecnologia revelar efetivamente quem recebe e quem abre cada mensagem.

Já no modelo por conversa, o Google terá uma participação na divisão da receita, por entender que se trata de um mercado novo que hoje não é explorado por SMS pelas operadoras. Não foi estabelecido ainda qual é a definição de “conversa”. No rival WhatsApp, onde é chamada de “sessão”, cada conversa tem limite de 24 horas. No RCS, o limite de tempo possivelmente será menor que isso.

Esse modelo de negócios híbrido será adotado pelo Google mundialmente. A companhia não pretende vender o serviço diretamente para marcas, mas através de brokers, como acontece hoje no SMS corporativo das operadoras.

“Queremos proteger o modelo de single messaging e entrar no mercado conversacional com participação em revenue share”, resume Silvio Pegado, responsável pelo RCS do Google no Brasil.

A oferta corporativa do RCS para a comunicação entre empresas e pessoas é chamada pelo Google de RBM (Rich Business Messaging).

Para evitar spam, serão usadas as mesmas ferramentas de aprendizado de máquinas do Gmail. Além disso, os usuários terão a liberdade de bloquear contas que lhes incomodarem.

Brasil

No Brasil, a plataforma de RCS do Google já está conectada tecnicamente com duas operadoras. Faltam agora a conclusão de alguns trâmites burocráticos. A previsão é de que pelo menos uma delas lance até o final deste mês. Pegado acredita que a aplicação com maior potencial para deslanchar com RCS é justamente a comunicação entre operadoras e seus assinantes, para a oferta de novos planos, recargas e serviços de valor adicionado.

Em termos de brokers e outros parceiros de conteúdo, há 12 deles integrados ao hub de RCS do Google na América Latina até o momento: Airmóvil, Aldeamo, Auronix, Conceptomovil, Dendron, FS, Gemalto, Gold 360, Intertron Mobile, Movile, Service Friend, Take.

Super Bots Experience

Alguns dos principais players do mercado nacional de mensageria estarão presentes no painel de abertura do Super Bots Experience, nesta quarta-feira, 8, no WTC, em São Paulo, como o CEO da Zenvia, Cássio Bobsin; o CEO da Take, Roberto Oliveira; e o cofundador da Movile, Eduardo Henrique. A programação completa do evento e mais informações sobre venda de ingressos estão disponíveis em www.botsexperience.com.br, ou pelo telefone 11-3138-4619, ou pelo email eventos@mobiletime.com.br.