O Farmácias App, site e aplicativo móvel que funciona como um canal de vendas para milhares de farmácias brasileiras, está registrando aumentos exponenciais de tráfego, de transações e de receita durante a quarentena. A pedido de Mobile Time, a companhia apresentou números comparando o período de 18 de março e 26 de maio com aquele de 1º de janeiro e 17 de março, ou seja, pré-pandemia. Nessa comparação, o volume de transações realizadas através dos aplicativos Android e iOS do Farmácias App cresceu 938%; a receita nesses canais aumentou 662%; e o número de usuários, 825%. O tíquete médio nos apps, contudo, diminuiu 27%, indicando que está havendo uma maior frequência de pedidos de menor valor.

Os números do site do Farmácias App também impressionam. Na versão móvel, houve uma explosão em quantidade de transações (+21.600%) e de receita (+20.315%), enquanto o tráfego aumentou 736% e o número de usuários, 695%. A versão para desktop, por sua vez, também registrou aumentos em tráfego (+106%); número de usuários (+122%); quantidade de transações (+422%); e receita (+686%). O tíquete médio nos sites para desktop e mobile subiu 37% (mas especificamente no site mobile houve queda de 6%).

O desempenho do Farmácias App é atribuído a uma corrida das farmácias em busca de canais digitais para a venda de seus produtos, diante da queda de público durante a quarentena. Isso tem acontecido principalmente por parte de drogarias de pequeno porte, que até então resistiam em passar por uma transformação digital em razão do custo desse processo e da dificuldade técnica.

17090601

As farmácias independentes precisaram passar rapidamente por uma transformação digital, relata Robson Parzianello, CTO do Farmácias App

“A pandemia ajudou a trabalhar a mentalidade do dono da farmácia para enxergar que agora é necessário (fazer a transformação digital). Antes, a limitação técnica e o alto custo eram impeditivos para dar o primeiro passo, especialmente entre aquelas farmácias independentes. Agora, as farmácias de bairro começaram a nos procurar porque o fluxo de pessoas nas loja diminuiu muito. Elas tiveram que se reinventar rapidamente”, relata Robson Parzianello, CTO do Farmácias App.

A companhia está perto de alcançar 1,5 mil pontos de venda cadastrados. Não há limitação por tamanho: o Farmácias App aceita farmácias de qualquer porte, seja independente, pequena, média ou grande. “Mas quem tem uma necessidade emergencial de se transformar são as independentes”, reconhece Parzianello. “Muitos começam vendendo pelo Whatsapp, mas chega uma hora que, com o volume, acabam perdendo o controle”, comenta.

A quantidade de farmácias adicionadas à plataforma do Farmácias App em março e abril foi 2,5 vezes maior que no primeiro trimestre, informa a empresa. De acordo com o executivo, a taxa de conversão da sua equipe que aborda as farmácias para convencê-las a adotar a plataforma está em 90% atualmente.

Modelo diferente dos marketplaces tradicionais

O Farmácias App prefere não ser chamado de “marketplace” por guardar diferenças significativas de modelo de negócios em comparação com a maioria dos marketplaces digitais. A primeira diferença é que o checkout, ou seja a cobrança, é processado por cada drogaria individualmente, não pelo Farmácias App. A entrega também é de responsabilidade do estabelecimento comercial. O papel do Farmácias App é construir a ponte entre o consumidor final e uma farmácia próxima da sua residência. Para facilitar o processo de cadastro de produtos por parte do lojista, o Farmácias App mantém um banco de dados com 50 mil SKUs: a drogaria precisa apenas identificar com quais trabalha, colocar seus preços e integrar seu estoque.

O comissionamento cobrado pelo Farmacias App é cerca de metade daquele cobrado por marketplaces tradicionais. Parzianello destaca essa diferença como algo fundamental no segmento farmacêutico, pois trata-se de um setor com preços controlados no qual os lojistas trabalham com uma margem apertada, geralmente de 20%, o que praticamente inviabiliza a entrada em marketplaces digitais tradicionais.

Um dos maiores desafios na transformação digital das farmácias independentes é manter o estoque atualizado, o que é fundamental para o sucesso das vendas online, aponta Parzianello. A integração do ERP também é difícil, porque existem mais de 200 tipos diferentes para o setor farmacêutico.

Hidroxicloroquina e álcool em gel

Alguns itens de farmácia registraram crescimentos acima da média em razão da pandemia. Os medicamentos antimaláricos, dentre os quais está incluída a hidroxicloroquina, tiveram aumento de 6.008% em faturamento e de 230% em quantidade de vendas em abril deste ano em comparação com o mesmo mês de 2019 no Farmácias App. Por sua vez, a categoria de antissépticos, na qual se inclui o álcool em gel, registrou crescimento de 456% em faturamento e de 508% em volume de pedidos, no mesmo intervalo.

Live

O CTO do Farmácias App participará da live “A rápida transformação digital do varejo em tempos de lojas fechadas“, que acontecerá nesta quarta-feira, 10, entre 10h30 e 12h, com organização do Mobile Time. Ele terá a companhia de Eduardo L’Hotellier, CEO do GetNinjas; Julia Rueff, diretora de marketplace do Mercado Livre; e Marcos Marins, diretor executivo de expansão de aceitação da Visa no Brasil.

Para compra de ingressos e mais informações, acesse a página do evento no Sympla ou consulte a equipe de vendas do Mobile Time: [email protected] / 11-96619-5888 / 11-3138-4619 (WhatsApp).

Confira aqui o calendário de lives do Mobile Time.