O Pix, serviço de pagamentos instantâneos criado pelo Banco Central trará novos desafios de segurança para a indústria financeira, em razão da sua instantaneidade, com transações aprovadas em até dez segundos, e da sua disponibilidade 24/7. O CPQD, que tem experiência no fornecimento de soluções de monitoramento de transações com cartões de débito e crédito, prevê que serão necessários seis meses de uso do Pix para se gerar massa crítica de dados suficiente para a construção de um modelo preditivo de fraude elaborado 100% com informações de pagamentos instantâneos no Brasil.

Mas o trabalho de monitoramento de fraudes já acontece na fase atual de cadastramento de chaves Pix. O CPQD tem conseguido analisar o cadastramento de chaves Pix a uma velocidade de 35 milissegundos cada. Algumas tentativas de fraude nesse processo já foram identificadas, como, por exemplo, solicitações de cadastro de diversos CPFs como chaves Pix a partir de um mesmo dispositivo, relata Saulo Nardingerente de negócio e soluções em prevenção de fraudes do CPQD, em conversa com Mobile Time.

Quando o Pix entrar em operação, em 16 de novembro, a maioria dos bancos e fintechs aproveitarão no combate a fraudes parâmetros que já utilizam em Internet banking e mobile banking, além do histórico de seus clientes em transações diversas, como transferências interbancárias e compras com cartões de débito e crédito. Com três meses de uso, Nardin acredita que será possível ter um modelo híbrido de previsão de fraudes, mesclando dados do Pix e de outros tipos de transações. E o primeiro modelo construído 100% com dados do Pix viria após seis meses de utilização.

Vale destacar que os modelos preditivos são constantemente aprimorados, estando em permanente evolução, e podem variar de banco para banco, e de canal para canal.

A prevenção de fraudes no Pix será tema de palestra de Nardin no dia 23 de outubro durante o Mobishop, seminário organizado por Mobile Time sobre m-banking, m-payment e m-commerce, que este ano acontecerá em formato digital. O evento contará também com painéis sobre open banking, cashback e lições aprendidas por apps de comércio móvel na pandemia, contando com palestrantes de empresas e instituições como Banco do Brasil, Itaú, Banco Central, Banco Inter, Banco Original, Santander, C6 Bank, Trigg, TIM, dentre outras. A programação completa e mais informações estão disponíveis em www.mobishop.com.br, ou com a equipe de eventos do Mobile Time: eventos@mobiletime.com.br / 11-96619-5888 / 11-3138-4619 (WhatsApp).