A Alphabet terminou o segundo trimestre de 2023 com um lucro líquido de US$ 18 bilhões, um crescimento de 12,5% contra US$ 16 bilhões de um ano antes. Recém-promovida do cargo de CFO para CIO e presidente da controladora do Google, Ruth Porat, credita o resultado ao crescimento das receitas em publicidade no motor de busca, YouTube e aos serviços de nuvem.

O lucro operacional subiu 13%, de US$ 19,5 bilhões para US$ 22 bilhões. E a receita total da empresa passou de US$ 69,5 bilhões para US$ 74,5 bilhões, incremento de 6,5%.

Receita por divisão

Divisão da receita da Alphabet (Gráfico com dados da Alphabet/Mobile Time)

A receita total do Google Search foi de US$ 40 bilhões para US$ 42 bilhões, um aumento de 5% na comparação ano a ano. No YouTube, o incremento foi de 4%, de US$ 7,3 bilhões para US$ 7,6 bilhões. O total de ganhos com publicidade resultou em US$ 58 bilhões, alta de 3,5% contra US$ 56 bilhões em 2022.

Outros serviços do Google totalizam uma receita de US$ 8,1 bilhões, alta de 24% contra US$ 6,5 bilhões do segundo trimestre de 2022. Em nuvem, o crescimento foi de 33%, um salto de US$ 6 para 8 bilhões.

Com essa divisão, a receita de publicidade do Google responde por 78% do total de ganhos da companhia. Se somado com outros serviços, chega a 89% do faturamento. Os outros 11% estão na divisão de nuvem. Um ano antes, a publicidade e outros serviços tinham 90% (81% só de publicidade) e a nuvem, 9%.

Investimentos (hedges) e outras apostas (Waymo, por exemplo) têm menos de 1% da receita cada.

Ressalvas

Vale lembrar que, um ano atrás, a Alphabet não teve um resultado frutífero. Isso acarretou em cortes de custos e demissões em massa que começaram no primeiro trimestre deste ano. Até o final do segundo trimestre, a companhia teve gastos da ordem de US$ 2 bilhões em sua reestruturação.

Em contrapartida, a companhia está trocando seu parque de servidores, uma redução de até US$ 2 bilhões em custos de depreciação e um aumento do lucro líquido de US$ 1,5 bilhão, se considerar o primeiro semestre de 2023.

Nova cadeira

Pelo lado de gestão, Porat assume como presidente e CIO do Google e da Alphabet. O cargo de CIO foi criado neste trimestre. Oficialmente, a executiva assume o cargo no dia 1 de setembro e terá como missão acompanhar as outras apostas e investimentos da controladora do Google mundialmente.

Enquanto a companhia não nomeia um novo CFO, Porat acumulará as duas funções. A profissional está no comando das finanças da Alphabet desde 2015.