17% dos internautas brasileiros que possuem smartphone já experimentaram realizar um pagamento por aproximação com o aparelho. O dado inédito é revelado pela nova edição da pesquisa Panorama Mobile Time/Opinion Box sobre Comércio Móvel no Brasil. A pergunta sobre pagamentos por aproximação foi feita acompanhada de uma imagem ilustrativa (veja acima): “Você já realizou pagamentos por aproximação com seu smartphone, encostando na maquininha de pagamento, conforme representado na imagem acima?”.

A proporção é maior entre os homens (21%) do que entre as mulheres (13%). E maior ainda entre pessoas das classes A e B (23%) do que entre aquelas das classes C, D e E (15%), diferença que se explica pela necessidade de ter um smartphone moderno e também um cartão de crédito. Essa forma de pagamento é mais popular entre donos de iPhone (25,8%) do que entre aqueles com smartphones Android (16,6%). E há também uma diferença por faixa etária: quanto mais jovem, maior a probabilidade de já ter usado o smartphone para pagar por aproximação. No grupo entre 16 e 29 anos,  21% já testaram essa tecnologia. A proporção cai para 16% no grupo entre 30 e 49 anos, e é de 12% naquele com 50 anos ou mais.

Para esta pesquisa foram entrevistados entre 21 e 25 de agosto 2.024 brasileiros que acessam a Internet e possuem smartphone, respeitando as proporções por faixa etária, renda familiar mensal e distribuição geográfica desse grupo. O relatório integral está disponível para download aqui.

Análise

O pagamento por aproximação usando as tecnologias NFC ou MST (no caso dos aparelhos da Samsung) está disponível no Brasil há muitos anos, mas somente agora começa a ganhar tração. Se antigamente os lojistas tinham até medo de aceitar essa forma de pagamento por não a conhecerem, hoje em dia, pelo menos nos grandes centros urbanos, os funcionários nos caixas já estão acostumados com o procedimento que deve ser feito para receber um pagamento desta forma. Vários fatores estão contribuindo para isso, dentre os quais: 1) a disponibilização de carteiras digitais como Apple Pay, Samsung Pay e Google Pay em uma variedade cada vez maior de smartphones à venda no Brasil; 2) campanhas de mídia de massa divulgando essa forma de pagamento, especialmente por parte de bandeiras de cartão; 3) a emissão de cartões de crédito e débito com NFC embutido; 4) a adaptação das máquinas de POS, com a adição do símbolo do NFC e a informação sobre esse meio de pagamento aparecendo na tela do aparelho.

Com tudo isso, alguns emissores começaram a divulgar os primeiros números sobre o uso de NFC no País. O Banco do Brasil, por exemplo, informou que realizou 3,5 milhões de transações por NFC entre janeiro e junho deste ano e que a quantidade de correntistas que usam essa tecnologia aumentou 400% nesse período. O metrô do Rio de Janeiro, por sua vez, adaptou em maio deste ano suas catracas para venderem passagens por NFC, e três meses depois registrava 4 mil transações com essa tecnologia por dia. Mais recentemente, em setembro, a SPTrans iniciou testes nos ônibus de São Paulo.

Mobishop

Mais dados da pesquisa serão apresentados pelo CEO do Opinion Box, Christian Reed, em apresentação no seminário Mobishop, no dia 8 de outubro, no WTC, em São Paulo, com organização de Mobile Time. O evento contará também com a participação de executivos de empresas e instituições como Banco Central, Banco do Brasil, Itaú Unibanco, Bradesco (next), BS2, Banco Inter, Banco Original, Mastercard, Rappi, Magazine Luiza, Mercado Pago, Syntonic, DoCoMo Digital, dentre outros. A agenda completa e mais informações sobre o evento estão disponíveis em www.mobishop.com.br, ou pelo email eventos@mobiletime.com.br, ou pelo telefone 11-3138-4619.