Ken Paxton, procurador do Texas abrirá oficialmente uma investigação multiestadual na segunda-feira, 9

Ações anticompetitivas de grandes empresas de tecnologia estão sob o escrutínio de procuradores estaduais nos Estados Unidos. O procurador-geral do Texas, Ken Paxton, confirmou que na próxima segunda-feira, 9, fará um anúncio de uma investigação multiestadual para avaliar as práticas em grandes empresas de tecnologia.

No pronunciamento que será feito na capital norte-americana, em frente ao prédio da Suprema Corte, Paxton afirma que a investigação pretende avaliar se grandes empresas de tecnologia realizaram práticas que minaram a competição com outras empresas; restringiram o acesso de rivais; e causaram danos ao mercado e aos consumidores.

A ação coincide com outra investigação multiestadual e bipartidária revelada nesta sexta-feira, 6, dessa vez iniciada pela procuradoria de Nova Iorque. A procuradora Letita James informou que está lançando uma investigação contra o Facebook também por anticompetitividade.

“Nós vamos usar todas as ferramentas de investigação ao nosso alcance para determinar se as ações do Facebook reduziram a qualidade de escolha dos usuários, aumentaram o preço de (peças) publicitárias e se trouxeram perigo ao consumo de dados”, disse James, em documento enviado à imprensa.

Na ação liderada por Nova Iorque, o Texas não participa. Por sua vez, os procuradores de Carolina do Norte, Colorado, Distrito de Columbia, Flórida, Iowa, Nebraska, Ohio e Tennessee devem colaborar com as investigações.

Vale lembrar, a procuradoria de Nova Iorque e o FTC fecharam recentemente um acordo de US$ 17o milhões com o Google e o YouTube por práticas que feriam a lei de privacidade infantil dos EUA (Coppa). E na Europa as investigações contra grandes empresas são habituais, visto que Amazon, Apple, Google e Facebook já passaram pelo escrutínio de órgãos reguladores europeus.