MEF Tarde 4

A Telefónica Global Solutions possui ao menos 32 milhões de clientes na América Latina aptos para receber RCS. A informação foi compartilhada por Marcos Rodriguez líder de RCS na empresa durante o evento MEF Connects LATAM, desta quarta-feira, 18. Rodriguez explicou que dos oito países onde atuam com o mensageiro, Brasil e México são os mais avançados, com 30 milhões de clientes.

“Cobrimos Brasil, México, Colômbia, Argentina, Equador, Peru, Uruguai e Chile. Brasil e México estão avançados. No Brasil, são 25 milhões de usuários, o que permite criar campanhas atrativas para empresas. México tem 5 milhões. Os outros países que a Telefónica tem presença na região não chegam a 2 milhões”, afirmou.

Segundo Rodriguez, o RCS traz resultados relevantes em conversão, superior ao SMS. Deu como exemplo uma campanha no México feita no mês passado (julho) que obteve 46% de índice de abertura e taxa de clique (CTR) de 34%.

Evolução

Tathiana Adam, gerente de negócios de produtos de comunicações do Google na América Latina, confirmou o avanço da plataforma de mensageria. De acordo com a executiva, a base de usuários quase dobrou em 2020, ante o ano anterior. Também explicou que houve avanços em campanhas, como no segmento financeiro. Agora, a empresa quer expandir o RCS para o resto da América Latina.

Por sua vez, Sergio Collazo, gerente de engenharia em SVA na América Móvil, contou que sua empresa está crescendo em tráfego, usuários (inscritos e conectados) e estão “entrando em campanhas” para monetizar com RCS em suas redes na América Latina: “Começamos com promoção de serviços internos. Nelas, nós notamos que o CTR é muito maior em comparação com campanhas de SMS”, afirmou.

Por outro lado, Collazo afirmou que falta avançar no número de usuários com acesso ao RCS, de modo que os clientes que fazem campanhas com as operadoras tenham confiança em utilizar este meio.

Educação

O gerente da América Móvil afirmou ainda que é preciso educar o consumidor para usar o RCS.  “Estamos usando esse canal junto com o SMS, explicando ao cliente que ele pode enviar mensagens P2P. A nível informacional, nós queremos que os usuários entendam o RCS como uma evolução do SMS”, afirmou. “Ainda é preciso dizer que, com o 5G, o SMS como conhecemos vai desaparecer e o usuário ficará na mensageria sobre IP, preferencialmente no RCS”, completou Collazo.

Adam explicou que, embora o SMS esteja bem consolidado na América Latina, o usuário local quer uma evolução de serviços. A executiva citou uma pesquisa de sua empresa que indica que  80% dos consumidores acreditam que o RCS é atrativo na América Latina e 74% são propensos a se comunicar com uma marca quando utilizam este serviço.

“As campanhas que temos visto na América Latina têm muito mais conversões. Há muitas oportunidades para as marcas explorarem os serviços. Estamos trabalhando com operadoras e empresas par evangelizar o mercado. Também vimos uma transformação digital, puxada pela Covid, na América Latina”, disse a gerente. “Os consumidores recebem muitas mensagens em todos os canais e as marcas precisam repensar como comunicar com os consumidores, sendo relevantes”, concluiu.