Em março deste ano, o Google Assistente foi aberto no Brasil para que desenvolvedores publiquem suas próprias “ações”, como são chamados os serviços acionados por comandos de voz no assistente virtual do Google. Passados quatro meses, existem no momento 78 ações em português para os usuários brasileiros, conforme levantamento feito por Mobile Time no diretório nacional de ações do Google Assistente.

Desse total, 42 foram criadas pelo próprio Google e 36, por terceiros. Elas são organizadas em 14 categorias (Compras, Esportes, Jogos, Músicas etc). Dentro de cada categoria, as ações são arrumadas por tipos de comando. Por exemplo, na categoria Música, são exibidas as ações que incluem o comando “ouvir música”, assim como aquelas com o comando “afinar um instrumento” ou “encontrar música”. Algumas ações, portanto, podem aparecer mais de uma vez se tiverem vários comandos.

Entre as ações do Google há desde a integração com serviços variados da empresa, como YouTube, Gmail, Tradutor e Google Maps, até ações relacionadas ao uso rotineiro do telefone, como fazer uma chamada ou programar um alarme, além de várias com curiosidades, como “Perguntas de geografia” e “Perguntas de matemática”.

Já entre as ações criadas por terceiros, há desde a integração com apps populares, como WhatsApp, Spotify e Telegram, até ações criadas por desenvolvedores individuais. Mais apps de renome devem se integrar até o final do ano, incluindo alguns de grandes veículos de mídia e de serviços online to offline, como 99 e iFood.

O Brasil está entre os três mercados que mais acessam o Google Assistente no mundo, informa a empresa. E o Português é o segundo idioma mais falado no serviço. O serviço está disponível em 25 idiomas e será expandido para 30 até o fim do ano.

Desenvolvimento

O Google disponibiliza um console online para que sejam desenvolvidas as ações. Nele o desenvolvedor define o idioma, elege os dispositivos onde a ação poderá funcionar (smartphones, Google Home, smart TVs etc) e elabora como será a conversa usando a ferramenta Dialogflow ou a partir de templates.

“O desenho da conversa não precisa ser feito por alguém técnico. A integração com o backend da marca é que requer programação”, explica Marco Oliveira, responsável por parcerias na América Latina com o Google Assistente. “O mais importante é o desenho da conversa, que indica a personalidade da marca”, acrescenta.

Todas as ações submetidas por desenvolvedores passam por um processo de aprovação por uma equipe do Google. Em média uma nova ação é publicada dois dias após sua submissão.

O Google promete em breve lançar no Brasil uma API de transações para o Google Assistente, o que permitirá a realização de vendas de produtos e serviços com comandos de voz.

Super Bots Experience

Oliveira fará uma palestra sobre o Google Assistente durante o Super Bots Experience, seminário organizado por Mobile Time que acontecerá nos dias 8 e 9 de agosto, no WTC, em São Paulo. O evento também contará com palestras de executivos da IBM, Banco do Brasil, Caixa Econômica, Banco Original, Sky, Vivo, Oi, TIM, Nextel, Habib’s, Hotel Urbano, Getnet, dentre outras empresas. A agenda completa e mais informações estão disponíveis em www.botsexperience.com.br, ou pelo telefone/WhatsApp 11-3138-4619, ou pelo email [email protected]