O recente escândalo das publicações de mensagens entre o ex-juiz e atual ministro da Justiça Sérgio Moro e o Ministério Público Federal acabou voltando as atenções das pessoas para apps alternativos de mensageria para fugir dos queridinhos WhatsApp e Telegram. Foi muito comum nas últimas semanas ouvir questões do tipo: ‘existe algum app seguro para troca de mensagem?’, ‘ se o ministro usasse outro app, ele teria os textos vazados?’ ou ‘precisa de VPN e firewall para proteger o dispositivo?’.

Suposições à parte, algo que o internauta brasileiro precisa entender é que não existe sistema 100% seguro. Isso pode ser dito por qualquer especialista de segurança digital. Ainda assim, nós separamos algumas alternativas de aplicativos de mensageria.

O primeiro deles é o Confide (Android, iOS), um app que é bem parecido com os principais apps do segmento, com criptografia de ponta a ponta e acesso via PC. Contudo, ele tenta se diferenciar com camadas extras de segurança, como apagar mensagens automaticamente após sua leitura e proteção contra captura de tela. O app ainda tem uma versão paga que permite enviar anexos ilimitados, apagar mensagem não lida e utilizar modo escuro (tela com baixa luminosidade).

Outro aplicativo é o Pinngle (Android, iOS), app que afirma não ser bloqueado em nenhum país e que tem criptografia de ponta a ponta. Ao mesmo tempo, o app é extremamente poluído por suas diversas comunidades e grupos que podem ter até 50 mil pessoas. Sua vantagem está em fazer ligações sem acesso à rede e na criação de números virtuais para usuários que estão fora de seu país de origem.

Agora, os usuários mais hardcores – que procuram uma solução customizável – podem encontrar no Riot.im (Android, iOS) uma alternativa interessante. O app é baseado na linguagem de rede aberta e descentralizada Matrix – favor não confundir com o filme – que ganhou a sua versão beta neste mês. Por meio do app, o usuário pode customizar para usar servidores próprios ou algum servidor de própria confiança para armazenar e transacionar as mensagens.

O Surespot (Android, iOS), por sua vez, é um app mais simples. No entanto, ele tem criptografia, adesão de contatos por QR Code e trabalha com o conceito open source. Ou seja, a equipe da aplicação tenta deixar transparente pelo GitHub as atualizações e funções que tem. Além disso, ele é um dos poucos apps que permite usar múltiplos usuários em uma conta.

Também existe o Twinme (Android, iOS). De todos, talvez esse seja o app com melhor fluidez e design amigável. Além disso, ele se destaca por não pedir nenhuma informação pessoal (a maioria pede e-mail ou número do telefone), define qual informação pode ser revelada para cada contato, tem botão para limpar todas as mensagens trocadas de uma única vez e bloqueio de contatos para uso por crianças. Assim como o SureSpot e o Riot.im, o Twinme é baseado em um código aberto, o WebRTC.

Outro app com funções bem interessantes é o Wire (Android, iOS). Este app também tem código aberto no GitHub e criptografia de ponta a ponta. Mas o seu principal diferencial é a possibilidade de editar erros de digitação em mensagens enviadas, além de cronometrar o tempo que outras pessoas podem ver textos, imagens e vídeos enviados. Esse app foi escolhido para ser usado na Ernst Young em uma versão exclusiva.

Um dos apps mais comentados nas últimas semanas, o Signal (Android, iOS) é um aplicativo de código aberto que tenta operar de forma rápida. Tem opção de mensagem efêmeras. Assim como os apps mais tradicionais, ele utiliza o acesso via número telefônico. Com usabilidade fácil, o Signal peca por não funcionar em tablets.

Uma menção honrosa – e nostálgica – é o BBM Enterprise (Android, iOS). Recentemente, a versão aberta do app foi descontinuada. Agora, o app existe apenas em modelo para corporações. Um dos mais antigos do mercado, o aplicativo da BlackBerry é conhecido por sua robustez de segurança, tanto que era usado pelo Departamento de Defesa dos EUA e grandes corporações como a Ford. Pago, o BBM tem opções de assinatura individuais e em empresas. O valor para o plano individual está avaliado a partir de US$ 2,49 o semestre. Mas é preciso criar uma conta do Blackberry ID antes de se registrar no aplicativo.