Nos últimos anos chegaram ao Brasil vários novos serviços de streaming de filmes e séries. A liderança ainda é do pioneiro Netflix, mas Amazon Prime Video, Disney+ e Globoplay já possuem bases consideráveis, como demonstra a nova edição da pesquisa Panorama Mobile Time/Opinion Box sobre uso de apps no Brasil.

A variedade de oferta contribuiu para que a proporção de brasileiros com smartphone que assinam algum serviço de streaming de filmes e séries siga crescendo continuamente. De um ano para cá, avançou oito pontos percentuais, passando de 56% para 64%. Esse tipo de serviço tem penetração maior nas classes A e B (75%) do que nas classes C, D e E (62%), e é maior também entre os jovens de 16 a 29 anos (70%), do que entre as pessoas de 30 a 49 anos (64%) ou com 50 anos ou mais (57%). 

A exclusividade dos títulos em cada catálogo acaba levando o consumidor a assinar mais de um serviço. É o que fazem dois em cada três brasileiros que pagam por streaming de vídeo. Apenas 35% se restringem a um único serviço. E, no outro extremo, 20% declaram assinar quatro ou mais.

O Netflix é o preferido, assinado por 81% dos brasileiros que pagam por serviços de streaming de filmes e séries. Amazon Prime Video desponta em segundo lugar isolado (46%) enquanto Disney+ (21%) e Globplay (20%) estão tecnicamente empatados em terceiro.

Analisando os dados demográficos e sociais dos assinantes, observam-se duas curiosidades. O Amazon Prime Video é o serviço com a maior diferença de penetração por classe social: 55% nas classes A e B, e 43%, nas demais. E o Globoplay é único serviço em que a penetração é maior entre as pessoas com 50 anos ou mais (24%), em comparação com aqueles de 16 a 29 anos (20%) e de 30 a 49 anos (19%).

A pesquisa foi feita entre 10 e 20 de novembro de 2021 com 2.036 brasileiros com 16 anos ou mais que acessam a Internet e possuem smartphone – antes, portanto, do recrudescimento dos casos de Covid-19 verificados na virada do ano. O relatório integral pode ser baixado aqui. A pesquisa tem margem de erro de 2,1 pontos percentuais e 95% de grau de confiança.